quinta-feira, 22 de junho de 2017

V ENEI

O Encontro Nacional de Estudantes Indígenas - ENEI é um espaço que visa reunir estudantes indígenas do ensino superior de todo o Brasil, proporcionando a troca de saberes, discussão e socialização de experiências de pesquisas no ensino superior indígena, sobre saberes locais, educação, saúde, gestão territorial, direito, entre outros. O espaço do encontro é privilegiado, pois conta com interlocutores, estudantes de graduação e pós-graduação, pesquisadores indígenas e não indígenas, sobretudo no que tange às práticas educacionais.

  V Encontro Nacional de Estudantes Indígena, ocorrerá em Salvador/Bahia.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

UFPA APRESENTA NOVA TECNOLOGIA PARA PESQUISADORES QUE TRABALHAM COM A REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BRASIL




Com a participação de pesquisadores de quatro estados brasileiros, a Comissão de Regularização Fundiária da Universidade Federal do Pará (CRF-UFPA) e o Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC) iniciam nesta sexta-feira, 23 de junho, das 9 às 18 horas, na sala da Pró-Reitoria de Administração, localizada no prédio anexo à Reitoria da instituição federal de ensino, o treinamento sobre o Sistema de Apoio à Regularização Fundiária (Sarf). O software permite coletar as informações sobre o perfil cadastral do terreno, do imóvel e os dados socioeconômicos e jurídicos das comunidades beneficiadas com a regularização fundiária, além de automatizar a emissão da planta do lote, da quadra, do memorial descritivo, do parecer jurídico e a emissão do título de propriedade.

 Exibindo Pesquisadores da UFPA preparam apresentação do software.jpg

Participam do treinamento gestores do Ministério das Cidades, professores e pesquisadores das universidades Federal de Pernambuco, ABC Paulista e da Universidade Federal Rural do Semi-Árido do Rio Grande do Norte (Ufersa), além da Universidade Federal do Pará.  O treinamento será ministrado por Gustavo Maués, consultor de Arquitetura de Sistemas Web e Banco de Dados para Informações Geográficas do Projeto Moradia Cidadã, e Myrian Cardoso, coordenadora técnica operacional do projeto. Participarão, também, Marlene Alvino, presidente da CRF-UFPA, e André Montenegro, professor da Faculdade de Engenharia Civil (FEC) e coordenador Geral do Projetos da CRF-UFPA, entre outros membros da Comissão.
O software foi desenvolvido pelos consultores em tecnologia da informação, comunicação e geoprocessamento do Projeto Moradia Cidadã, uma parceria que envolve, desde 2013, a UFPA, o Ministério das Cidades, por meio da atual Secretaria Nacional de Desenvolvimento Urbano, e as prefeituras de Mãe do Rio, Nova Esperança do Piriá, Capitão Poço, Tomé-Açu, Ipixuna do Pará e Concórdia do Pará, além da participação da Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp).
Para Elói Faveiro, professor pesquisador do Projeto Moradia Cidadã, o sistema consolida uma caminhada iniciada na década de 80, quando as primeiras experiências de regularização fundiária foram desenvolvidas pela universidade em suas próprias terras. A ferramenta sustentável revoluciona a coleta de dados no campo da regularização e forma um grande banco de dados sobre a realidade fundiária de comunidades locais, municípios amazônicos, estados e da federação brasileira. O sistema foi desenvolvido em software livre na tecnologia Java e possui uma arquitetura de multiplataforma, permitindo o registro de milhões de unidades. 

 Exibindo Professor pesquisador orienta assessora administrativa do Projeto Moradia Cidadã sobre o SARF.jpg

 O primeiro cadastro consolidado no sistema foi o da agricultora familiar e moradora da Vila Nossa do Perpétuo Socorro, localizada na PA-252, no município de Concórdia do Pará, onde reside há três anos na Quadra 2, lote 80, com uma renda familiar de R$ 400 reais. A área do seu imóvel é de 459,6 metros quadrados, tem 54,57 metros quadrados de área construída, sendo quatro cômodos, ou seja, dois quartos, uma sala e cozinha e um banheiro. A moradia é de alvenaria e tem cobertura de telha de cerâmica, porém não tem revestimento e esgotamento sanitário. A água existente na localidade é utilizada no sistema de torneira coletiva e a prefeitura local realiza a coleta lixo. O terreno da agricultora tem ainda uma área livre de mais de 405 metros quadrados.
Para André Montenegro,  coordenador Geral do Projetos da CRF-UFPA, com o desenvolvimento do software, a UFPA abriu uma via de comunicação digital referenciada e sustentável no universo da regularização fundiária, que fortalece o ensino, a pesquisa e a extensão com o envolvimento multidisciplinar de professores e discentes das áreas de serviço social, engenharia, topografia, arquitetura, direito, administração e da comunicação, além da participação de técnicos, servidores públicos e lideranças das comunidades beneficiadas nos projetos de regularização.  Além disso, pesquisadores e gestores públicos das três esferas brasileira podem se beneficiar dos dados para desenvolver estudos e implementar políticas públicas para as famílias beneficiadas visando a democratização do desenvolvimento local, regional e nacional, finaliza o coordenador.

Texto e fotos: Kid Reis – Ascom-CRF-UFPA

Flexa vota contra os trabalhadores do Pará


Fonte: Sol de Carajás

Audiência pública que irá debater políticas públicas voltadas às pessoas LGBT

Acontece agora a tarde

Hora: 14h
Local: 
Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) - Folha 31, Quadra 7, Lote Especial, s/n - Nova Marabá, Marabá - PA, 68507-590
Entrevistado:  
Lílian Viana Freire, promotora de Justiça de Direitos Humanos de Marabá e representantes dos movimentos LGBT de Marabá.

Ouvir a sociedade de Marabá sobre a carência de políticas públicas voltadas ao público LGBT é o objetivo de uma grande audiência pública promovida pelo Ministério Público de Marabá, que irá ocorrer no dia 21 de junho ( nesta 4ª feira), às 14h, no auditório da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa).
A audiência pública denominada LGBT - todas as vozes” visa garantir a participação da sociedade na discussão sobre direitos e construção de políticas públicas voltadas às pessoas LGBT(Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) e colher dados e informações para elaborar um plano de ação que será desenvolvido pela 13ª promotoria de Justiça de Direitos Humanos de Marabá que garanta direitos a essas pessoas. A reunião é coordenada pela promotora de Justiça de Direitos Humanos de Marabá, Lílian Viana Freire.
O evento contará com o apoio e a participação de organizações e movimentos sociaisEste não será o primeiro debate sobre a implementação de políticas públicas destinadas às pessoas LGBT. No último dia 1º de junho a promotora de Justiça de Direitos Humanos de Marabá, Lílian Viana Freire, reuniu autoridades do município para discutir o tema. Participaram o secretário Municipal de Saúde e representantes da Secretaria Municipal de Educação e Procuradoria do Município, além do gerente do Centro de Perícias Renato Chaves, vereadores Marabá e integrantes de grupos e ONGs LGBT.

Um dos pontos da reunião foi o uso do nome social e reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da Câmara Municipal de Marabá e criação do Conselho Municipal da Diversidade Sexual, ambos são resultado de uma Recomendação expedida pela Promotoria de Justiça de Marabá.
À Secretaria de Saúde do Município foi cobrada a implementação de políticas públicas destinadas às pessoas LGBT na área da saúde. O mesmo ocorreu com a Secretaria Municipal de Educação que também deverá apresentar propostas para a implementação de políticas públicas para garantia de direitos deste público no âmbito da rede pública de ensino de Marabá.
O MPPA também trabalha junto ao Centro Perícias Renato Chaves de Marabá para que o mesmo adote medidas para a alteração dos formulários e protocolos utilizados em perícias. A ideia é que nesses formulários constem o campo gênero, identidade de gênero e orientação sexual a fim de se realizar um diagnóstico dos crimes praticados contra a população LGBT.
O MPPA também atua de forma conjunta com a Promotoria de Justiça de Execução Penal de Marabá para a efetivação dos direitos das pessoas LGBT que se encontram custodiadas no sistema prisional da cidade.
Serviço:
Audiência Pública: Dia 21 de junho (Hoje), às 14h, no auditório da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Folha 31, quadra 7, Lote especial, s/nº , Nova Marabá)
Contatos: (91) 4006-3586 | (91) 4006-3487 | (91) 98871-2123 (Assessoria de Imprensa em Belém)

terça-feira, 20 de junho de 2017

Imagem do Dia

Em Curitiba governada pela direita reacionária e sede do Juiz seletista é assim que trata servidores públicos.

Quatro pessoas precisaram de atendimento médico após a confusão (Foto: Rodrigo Fonseca)
  (Foto: Rodrigo Fonseca)

Derrota do Temer 1

Para acabar de vez com as reformas anti-povo do governo golpista, essa vitória embala a #GreveGeral do dia 30!
O relatório da reforma trabalhista que foi aprovado na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, agora foi rejeitado no mérito na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). Ele ainda segue pra Comissão de Constituição e Justiça. Grande derrota para Temer e grande vitória para as trabalhadoras e trabalhadores!
Nas fotos oposição comemora a vitória na comissão de assuntos socias durante a votação a reforma trabalhista.
Lula Marques/Agência PT

Derrota do Temer 2


Derrota do Temer 3


segunda-feira, 19 de junho de 2017

Audiência Pública que irá debater políticas públicas voltadas às pessoas LGBT

COLETIVA DE IMPRENSA

Assunto: Coletiva de Imprensa sobre a audiência pública que irá debater políticas públicas voltadas às pessoas LGBT
Data da Coletiva: 19 de junho (2ª feira)
Hora: 14h
Local: 
Sala de Dependências (Multiuso) localizada no prédio sede do MPPA em Marabá (Rua das Flores, s/nº, esquina com a rodovia Transamazônica - Agrópolis Incra) 

Entrevistado:  
Lílian Viana Freire, promotora de Justiça de Direitos Humanos de Marabá e representantes dos movimentos LGBT de Marabá.
Nesta 2ª feira, 19 de junho, às 14h, a promotora de Justiça Lílian Viana Freire se reunirá com movimentos sociais no prédio do Ministério Público, em Marabá, para promover uma entrevista COLETIVA DE IMPRENSA sobre a audiência pública e os debates referentes a criação de políticas públicas voltadas ao público LGBT. Na coletiva, os movimentos sociais irão relatar os preconceitos diários que sofrem, questões de violência física e verbal e ainda exclusão que a sociedade dá à essas pessoas que integram o movimento.
Audiência Pública
Ouvir a sociedade de Marabá sobre a carência de políticas públicas voltadas ao público LGBT é o objetivo de uma grande audiência pública promovida pelo Ministério Público de Marabá, que irá ocorrer no dia 21 de junho (4ª feira), às 14h, no auditório da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa).
A audiência pública denominada LGBT - todas as vozes” visa garantir a participação da sociedade na discussão sobre direitos e construção de políticas públicas voltadas às pessoas LGBT(Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) e colher dados e informações para elaborar um plano de ação que será desenvolvido pela 13ª promotoria de Justiça de Direitos Humanos de Marabá que garanta direitos a essas pessoas. A reunião é coordenada pela promotora de Justiça de Direitos Humanos de Marabá, Lílian Viana Freire.
O evento contará com o apoio e a participação de organizações e movimentos sociaisEste não será o primeiro debate sobre a implementação de políticas públicas destinadas às pessoas LGBT. No último dia 1º de junho a promotora de Justiça de Direitos Humanos de Marabá, Lílian Viana Freire, reuniu autoridades do município para discutir o tema. Participaram o secretário Municipal de Saúde e representantes da Secretaria Municipal de Educação e Procuradoria do Município, além do gerente do Centro de Perícias Renato Chaves, vereadores Marabá e integrantes de grupos e ONGs LGBT.

Um dos pontos da reunião foi o uso do nome social e reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da Câmara Municipal de Marabá e criação do Conselho Municipal da Diversidade Sexual, ambos são resultado de uma Recomendação expedida pela Promotoria de Justiça de Marabá.
À Secretaria de Saúde do Município foi cobrada a implementação de políticas públicas destinadas às pessoas LGBT na área da saúde. O mesmo ocorreu com a Secretaria Municipal de Educação que também deverá apresentar propostas para a implementação de políticas públicas para garantia de direitos deste público no âmbito da rede pública de ensino de Marabá.
O MPPA também trabalha junto ao Centro Perícias Renato Chaves de Marabá para que o mesmo adote medidas para a alteração dos formulários e protocolos utilizados em perícias. A ideia é que nesses formulários constem o campo gênero, identidade de gênero e orientação sexual a fim de se realizar um diagnóstico dos crimes praticados contra a população LGBT.
O MPPA também atua de forma conjunta com a Promotoria de Justiça de Execução Penal de Marabá para a efetivação dos direitos das pessoas LGBT que se encontram custodiadas no sistema prisional da cidade.
Serviço:
1.     Coletiva de Imprensa: Dia 19 de junho, às 14h, na Sala de Dependências (Multiuso) no prédio do MPPA em Marabá (Rua das Flores, s/nº, esquina com a rodovia Transamazônica - Agrópolis Incra) 
2.     Audiência Pública: Dia 21 de junho, às 14h, no auditório da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Folha 31, quadra 7, Lote especial, s/nº , Nova Marabá)
Contatos: (91) 4006-3586 | (91) 4006-3487 | (91) 98871-2123 (Assessoria de Imprensa em Belém)

quinta-feira, 8 de junho de 2017

UNIFESSPA: Marabá ganha mais um Mestrado

A Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) obteve aprovação junto ao Ministério da Educação (MEC), do Mestrado Acadêmico em Educação em Ciências e Matemática. Os resultados da apreciação de propostas de cursos novos (APCN) acadêmicos e profissionais foram divulgados, na segunda-feira (5), pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes/MEC). Nesta avaliação, a Unifesspa foi a única universidade da região Norte a obter aprovação.
As propostas de APCN, após avaliação pelas respectivas áreas, foram analisadas durante a 171ª Reunião do Conselho Técnico-Científico da Educação Superior (CTC-ES), realizada no período de 23 a 26 de maio de 2017, em Brasília. As fichas com os pareceres estão disponíveis às instituições proponentes na Plataforma Sucupira (acesso mediante senha).
O Mestrado Acadêmico em Educação em Ciências e Matemática terá como coordenador o Prof. Dr. Ronaldo Barros Ripardo e vice-coordenadora a Profa. Dra. Ana Clédina Rodrigues Gomes e será ofertado pelo Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIM) da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa). Serão oferecidas 10 vagas por seleção, distribuídas nas seguintes linhas de Pesquisa: Epistemologia do conhecimento, do ensino e da aprendizagem em ciências e matemática; e Formação de professores em ciências e matemática. A previsão é que o edital para seleção seja lançado no segundo semestre de 2017 e as aulas da primeira turma iniciem no primeiro semestre de 2018.
Poderão participar da seleção portadores (as) de diploma de graduação em Matemática, Biologia, Química, Física e Ciências Naturais, além de profissionais que ensinam matemática e ciências, como pedagogos, e profissionais diversos que em suas atividades tenham relação com o objetivo do programa, como as áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação, Engenharias, Saúde Coletiva, Educação, Psicologia, ou áreas afins.
O coordenador do Programa, Prof. Dr. Ronaldo Barros Ripardo destacou a importância do curso para a formação de recursos humanos na Região “A aprovação da proposta é um marco histórico para a região além de uma importante conquista, pois se trata do primeiro mestrado da área de ensino da Unifesspa, e marca em 2017 os 30 anos dos primeiros cursos de graduação na região, dentre os quais o de matemática, a partir da interiorização da UFPA. Assim, uma dentre as muitas expectativas do corpo docente, formado por professores da Unifesspa, UFPA e UEPA, é garantir junto à instituição as condições necessárias para o pleno funcionamento do curso e a excelência na formação de pesquisadores”, avaliou.
registrado em:
 
Fonte: Sitio da Unifesspa - AQUI 

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Diretas, Já!

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou o texto original da PEC 67/2016, que prevê eleições diretas em caso de vacância da Presidência da República, decorridos até três anos de mandato. A PEC, agora, vai à votação em plenário.

III Congresso de Inovação e Metodologias no Ensino Superior - CIM 2017

SBPC em BH na UFMG

A 69a Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) ocorrerá na UFMG, no período de 16 a 22 de Julho. Chamamos a sua atenção para a extensa programação de atividades que inclui conferências, mesas-redondas, encontros científicos, minicursos, além de atividades culturais. Haverá a participação de personalidades de destaque no meio acadêmico brasileiro, que virão falar sobre temáticas relacionadas a todas as áreas do conhecimento. Está prevista a presença de um público de cerca de 10.000 pessoas de todo o Brasil. Trata-se portanto de uma oportunidade única para a sua participação no maior evento científico do país, que irá ocorrer este ano em nossa universidade. 

As inscrições para o evento podem ser feitas pelo link:  



As inscrições por essa página estarão abertas somente até o dia 03/07. Estarão isentos do pagamento da taxa de inscrição todos os estudantes da UFMG assistidos pela FUMP (níveis I, II e III).

IDEFLOR-BIO PROMOVE CURSO DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS



IDEFLOR-BIO PROMOVE CURSO DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NA ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA EM MARABÁ


 Exibindo ifpa sala de aula EFA.jpg



Uma parceria que vem sendo plantada e regada há anos, em abril de 2017 brotou a mudinha, e já começa a desenvolver as folhas, com a perspectiva de brevemente produzir  bons frutos. Trata de mais uma parceria da Escola Família Agrícola (EFA) Professor Jean Hébette, agora com o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-Bio).
A EFA está localizada no km 23, da Rodovia BR 230 - Transamazônica (sentido Itupiranga), município de Marabá, estado do Pará. Objetiva proporcionar uma Educação Integral para jovens agricultores/as, de forma participativa e integrada com as famílias e as comunidades, fundamentada na Pedagogia da Alternância e nos princípios da Educação do Campo. 

 Exibindo equipe EFA e Ideflor.jpg


Véspera da Semana do Meio Ambiente, nos dias 30 e 31 de maio de 2017, a Equipe do Ideflor-Bio Regional Marabá formada pelo gerente técnico e engenheiro Florestal Cleberson Salomão, os engenheiros agrônomos Luziel Oliveira, Emmanuell Carrolo, os estagiários da UEPA: Lucas Ribeiro, Francisco Tamyson e Izaac Silva promoveu uma série de práticas sustentáveis para jovens e educadores/as da Escola Família Agrícola (EFA).
A partir de um minicurso a Equipe Técnica do Ideflor-Bio Regional Marabá realizou a introdução teórica sobre o Sistema Agroflorestal (SAF), técnicas de produção de mudas. Na parte prática foi organizado o viveiro produtivo da EFA, técnicas de quebra de dormência de sementes, preparo de substrato e enchimento de sacolas visando a produção de mudas frutíferas e arbóreas. Foram feitos semeio de maracujá e paricá. Nas próximas etapas serão utilizadas outras espécies (açaí, castanha, cupu, ipê e outras).

 Exibindo producao de mudas.jpg


Os jovens que participaram são da turma é do 9º ano do Ensino Fundamental, a partir de agosto de 2017, novas etapas da parceria que atenderá as turmas do 6º, 7º e 8º anos. A motivação é grande em ver a consolidação de mais uma Unidade Produtiva e Educativa da EFA.

terça-feira, 30 de maio de 2017

Primeiro Mestrado de Parauapebas

No total são disponibilizadas 12 vagas, distribuídas em duas linhas de pesquisa: “Tecnologia de produção e nutrientes animais ruminantes” e “Interface solo-planta-animal”. Podem se inscrever candidatos com formação em Zootecnia e demais áreas das ciências agrárias ou biológicas, ou ainda profissionais de outras áreas de conhecimento, mas que tenham experiência em tecnologia na Produção Animal.

Saiba mais e confira o edital: https://novo.ufra.edu.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1071


A imagem pode conter: texto

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Petição para baixar salário dos vereadores de Marabá!

Acabei de ler e assinar o abaixo-assinado: «Baixar Salários dos Vereadores de Marabá Pará» no endereço http://www.peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=BR90034

Concordo com este abaixo-assinado e cumpro com o dever de o fazer chegar ao maior número de pessoas.

Caso você concorde, agradeço que assine o abaixo-assinado e que ajudem na sua divulgação através de um email para os seus contatos.

Obrigado.
Renato Teixeira

Esta mensagem foi-lhe enviada por Renato Teixeira (jrtsrenato@gmail.com), através do serviço http://www.peticaopublica.com.br em relação ao Abaixo-Assinadohttp://www.peticaopublica.com.br/?pi=BR90034

“I Simpósio de Estudos Regionais e Agrários do Sul e Sudeste do Pará (SERA SUL)

No próximo mês, dos dias 12 a 16 de junho de 2017 a Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) vai promover o “I Simpósio de Estudos Regionais e Agrários do Sul e Sudeste do Pará (SERA SUL) ” que acontecerá nas Unidades I e II, Campus de Marabá.
O objetivo do 1º SERA SUL é abordar temáticas relativas ao âmbito regional, enfocando a relação campo-cidade, as políticas públicas, os conflitos fundiários, o desenvolvimento rural e urbano, dentre outros temas que são tratados no interior do Laboratório de Estudos Regionais e Agrários do Sul e Sudeste do Pará (Lerassp).
Para realizar a inscrição no Simpósio é preciso preencher a ficha de inscrição disponível na página do facebook https://goo.gl/nlVFMi e enviar para o e-mail serasul.lerassp@gmail.com. No fim do evento será emitido certificado, com carga horária de 20h, para os participantes que obtiverem, no mínimo, 75% de participação.
Além dos professores da Unifesspa, o evento conta com a participação de renomados pesquisadores, o Prof. Dr. Júlio César Suzuki da Universidade de São Paulo (USP), Profa. Ma. Kátia Souza Rangel da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) e o Prof. Me. Rogério Almeida da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA).
O LERASSP
A ideia de criação do laboratório surgiu no projeto Núcleos de Extensão e Desenvolvimento Territorial na Amazônia Oriental(Nedeter), o qual grafou uma ampla participação dos movimentos sociais do campo e da comunidade acadêmica da Unifesspa. Posteriormente, outros projetos foram se somando como o Naec (Consolidação do Núcleo Interdisciplinar de Agroecologia e Educação do Campo: valorização de sementes tradicionais para garantia da soberania alimentar na Amazônia); o Projeto Residência Agrária (Especialização em Educação do campo, Agroecologia e questão Agrária na Amazônia) e o Projeto Rede Dataluta Pará, articulado à Universidade Estadual Paulista (Unesp/Presidente Prudente), que concederam ao espaço do Lerassp um conteúdo interdisciplinar e de constante diálogo com os movimentos sociais.
Durante a programação do Simpósio serão divulgados os resultados desses projetos desenvolvidos no Lerassp. Haverá diálogo com pesquisadores da linha de estudos regionais e agrários de outros laboratórios da Unifesspa e de outras universidades brasileiras e com os atores sociais da região, a exemplo dos diferentes movimentos socioterritoriais existentes no Sul e Sudeste do Pará.

Programação geral do evento: 
Conferência de abertura: Uma leitura geográfica sobre a questão agrária brasileira.
Data: 12 / 06 / 2017
Palestrante: Prof. Dr. Júlio César Suzuki (Geografia – USP)
Mediador: Prof. Me.Rogério Rego Miranda (Geografia – Unifesspa)
Local: Auditório do IGE – Campus II da Unifesspa
Hora: 18h30
Mesa Redonda: Transformações nos espaços de reprodução camponesa: as experiências do Sudeste Paraense e do Sul do Amapá.
Data: 13 / 06 / 2017
Palestrante: Prof. Dr. Maurílio de Abreu Monteiro (PDTSA/Reitor da Unifesspa)
Palestrante: Ma. Etiane Patrícia dos Reis da Silva
Palestrante: Profa. Ma. Kátia Souza Rangel (Geografia – UNIFAP)
Mediador: Prof. Me.Marcos Alexandre Pimentel da Silva (Geografia – Unifesspa)
Local: Auditório do IGE – Campus II da UNIFESSPA
Hora: 18h30
Mesa Redonda: Transformações no espaço agrário do sudeste paraense a partir da dinâmica do agronegócio e da mineração.
Data: 14 / 06 / 2017
Palestrante: Prof. Me. Rogério Almeida (Gestão pública e desenvolvimento regional – UFOPA)
Palestrante: Prof. Me. Fernando Michelotti (Agronomia – Unifesspa)
Palestrante: Charles Trocate (MAM)
Mediador: Francileno da Trindade Batista (Professor do ensino básico de Marabá e colaborador do LERASSP)
Local: Auditório do IGE – Campus II da Unifesspa
Hora: 18h30
Mesa Redonda: Políticas Públicas em Tempos de Desmonte do Desenvolvimento Territorial:as experiências dos Territórios da Cidadania no Sul e Sudeste do Pará.
Data: 15/ 06 / 2017
Palestrante: Prof. Me.Marcos Alexandre Pimentel da Silva (Geografia – Unifesspa)
Palestrante: Esp. Emmanuel Wambergue (FATA)
Palestrante: Prof. Me. Laércio Rocha de Sena (História – Unifesspa/ Campus de Xinguara)
Mediador: AnaMariaMafezolli Leite (Ex-Assessora do Território da Cidadania – Sudeste Paraense).
Local: Auditório do Campus I – UNIFESSPA
Hora: 18h30
Conferência de encerramento: Um pensamento, uma região: a contribuição de Milton Santos para os estudos regionais na Amazônia.
Data: 16 / 06 / 2017
Palestrante: Prof. Dr.Saint Clair Cordeiro da Trindade Júnior
Mediadora: Profa. Ma. Gleice Kelly Gonçalves da Costa (Geografia – Unifesspa)
Local: Auditório do Campus I – Unifesspa
Hora: 18h30

Fonte: Unifesspa - site

quinta-feira, 25 de maio de 2017

PCCR: III Governo Tião ataca trabalhadorescom apoio de vereadores

A imagem pode conter: 21 pessoas, pessoas sorrindo, texto

Posição da FETRAF: Ridícula!

Em decorrência dos episódios de enfrentamento com armas de fogo por parte de alguns elementos que compõe as famílias de acampados da Fazenda Santa Lúcia, no Município de Pau D’arco.
Considerando que as orientações por parte da FETRAF, repassadas aos líderes do acampamento, não foram seguidas pelos mesmos e tão pouco pelos acampados.
A Coordenação da FETRAF vem através deste, manifestar que não estará mais pautando a referida área junto ao INCRA, conforme decisão tomada e comunicada aos acampados no dia 26/04/2017 (quarta feira), conforme decisão tomada em Assembleia geral realizada no município de Marabá - PA.
A FETRAF presa pelo diálogo e pelo o entendimento mútuo por parte do INCRA, Proprietário da área e por parte dos trabalhadores.
Jamais apoiaremos a luta armada!
No nosso entendimento os conflitos agrários na região norte do País já houve muitos derramamentos de sangue, e não queremos pactuar e tão pouco participar de outros episódios que por ventura possa vir a acontecer.
A FETRAF tem a hora de avançar, tem a hora de dialogar, tem a hora de recuar.
Entendemos que o recuo nesse momento é mais inteligente.
Ressaltamos que comunicamos a DECA – Delegacia Especializada em Conflitos Agrários e o INCRA (SR-27) e o INCRA Nacional.
Ressaltamos ainda, que comunicaremos a Secretaria de Segurança Pública do Estado do Pará e o Delegado Geral da Polícia Civil do Estado.
COORDENAÇÃO DA FETRAF PARÁ"