quarta-feira, 14 de dezembro de 2016



Oficina alinha ações do projeto Embrapa/Fundo Amazônia no Pará


A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater-Pará), através do Supervisor Regional Francisco da Silva Ferreira e assessorado por sua equipe técnica participou da oficina de concertação realizada nos dias 29 e 30 de novembro no município de Marabá, sudeste do Pará, promovida pela a Embrapa Amazônia Oriental (proponente do projeto) rumo à consolidação da participação paraense no Projeto Integrado para a Amazônia, com recursos do Fundo Amazônia (BNDES). O resultado da oficina foi à construção participativa da indicação de municípios na região sudeste que serão beneficiados pelas ações do projeto, assim como quais instituições serão parcerias na execução das atividades previstas.


 Exibindo fundo Amazonia .JPG


O encontro deu continuidade a uma oficina anterior que levantou as demandas da região, área de influência do Núcleo de Apoio a Pesquisa e Transferência de Tecnologias (NAPT Sudeste do Pará), da Embrapa, realizada no mês de setembro deste ano. De acordo Sílvio Brienza Júnior, chefe-adjunto de transferência de tecnologia da Embrapa Amazônia Oriental, um grande diferencial dessa construção do projeto é que todas as decisões, das demandas de ações e tecnologias às formas de execução, passando pela escolha do território, público alvo e parceiros, estão sendo construídas de forma participativa com todos os atores sociais da região. “Não é um projeto da Embrapa, mas um esforço conjunto de unir ações e as potencialidades das diversas instituições e movimentos sociais estabelecidos e atuantes na região, para promover soluções tecnológicas e fortalecer ações concretas para o desenvolvimento local”, explicou Brienza.

Desta forma a Embrapa fortalece sua atuação em Marabá e Região e a aproximação das instituições e do setor produtivo local, valorizando ainda o trabalho desenvolvido pelo NAPT e a interiorização da Empresa.

A oficina de concertação para a formalização de parcerias institucionais apresentou as demandas elencadas em setembro em cada um dos quatro arranjos contemplados pelo Projeto Integrado para a Amazônia, sendo eles: monitoramento do desmatamento e da degradação florestal e serviços ecossistêmicos; restauração, manejo florestal e extrativismo; tecnologias sustentáveis para a Amazônia; e aquicultura e pesca.


 Exibindo FA Kelem.jpg


Para cada um dos arranjos, foram eleitas ações prioritárias que serão alinhadas ao projeto e respectivos parceiros. Um dos consensos do grupo foi que para além de trazer soluções tecnológicas da Embrapa, os projetos devem incidir na valorização e fortalecimento de atividades e instituições que já existem na região, como a validação de tecnologias locais, o diálogo com os saberes tradicionais, entre outros. Como por exemplo: o fortalecimento do Fórum da Agricultura Familiar tendo como base o  Colegiado de Desenvolvimento Territorial do Sudeste Paraense (CODETER Sudeste Paraense), e a realização da VI Conferência Regional de Educação do Campo sob a coordenação do Fórum Regional de Educação do Campo do Sul e Sudeste do Pará (FREC).

As Unidades de Aprendizagens (UAs) de hortaliças, piscicultura, SAFs, acaí e outras serão implantadas no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA -  Campus Rural de Marabá), na Escola Família Agrícola (EFA) e no Campo Experimental da Agronomia da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA), unindo as tecnologias em curso, com as preconizadas pela Embrapa. Ambas as instituições trabalham com a Pedagogia da Alternância, na qual os/as alunos/as tem o tempo escola, tempo propriedade, e desta forma, conseguimos disseminar as tecnologias, adapta-las às realidades locais e ao mesmo tempo, captar as demandas regionais.

As instituições parceiras que participaram da Oficina além da Equipe da Embrapa, são elas: EMATER,  SEDAP, UNIFESSPA, IFPA, SEBRAE, CODETER, Secretarias Municipais de Agricultura de Marabá e Itupiranga, APAEP, FETAGRI, Extensão Amazônia, PROAGRI, COOPERCAU. Novos parceiros serão articulados como, por exemplo: SESPA, SEMAS e outros.


Alinhadas as demandas e parceiros após dois dias de intensos debates, a próxima etapa é a formalização dos projetos, em cumprimento aos protocolos internos para Embrapa, para que se possa então acessar os recursos disponibilizados pelo BNDES via Fundo Amazônia, explanou Sílvio Brienza Júnior. Que avaliou com otimismo a participação de um grande e significativo número de instituições nas oficinas, em especial, instituições de ensino, como as universidades, Escola Família Agrícola e IFPA, pois nesses espaços que ocorrem à formação dos futuros profissionais, permitindo a potencialização dos recursos em treinamentos, como cursos de capacitação e dias de campo, mas com uma perspectiva de maior efetividade de adoção e disseminação das tecnologias.


A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) assinaram em abril deste ano um acordo de cooperação técnica para a promoção do desenvolvimento da região Amazônica. O BNDES repassará para o Projeto Integrado da Amazônia R$ 33 milhões provenientes do Fundo Amazônia, em duas parcelas, sendo R$ 15 milhões para a primeira etapa. O projeto visa à disseminação de tecnologias para o desenvolvimento da região a partir de atuação coordenada de 12 centros de pesquisa da Embrapa. As  unidades da Embrapa envolvidas no projeto, são elas: Acre, Amapá, Amazônia Oriental, Amazônia Ocidental, Rondônia, Roraima, Pesca e Aquicultura, Meio Norte, Agrossilvipastoril, Cocais, Monitoramento e Meio Ambiente.




Fonte: Assessoria de Comunicação da Embrapa Amazônia Oriental


https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/18597678/oficina-alinha-acoes-do-projeto-embrapafundo-amazonia-no-para

Nenhum comentário: