segunda-feira, 25 de julho de 2016

Todo repúdio ao curso de" Intervenções estratégicas em Movimentos Sociais!


 O Fórum Estadual de Direitos Humanos do Pará, em conjunto com a OAB-PA e outras entidades, questionará o Secretário de Segurança Pública e presidente do Conselho de Segurança do Pará sobre o dito curso, pedindo de esclarecimentos e suspensão de inscrições até que o conselho estadual se posicione sobre a situação.
.
Segue nota abaixo. Pedimos que compartilhem e que as entidades entrem em contato e postem repúdio a este desgoverno do Estado e a todos que apoiam cursos dessa natureza.


"EXMO SR. Jeannot Jansen
Secretário de Segurança Pública 


Nós, entidades da sociedade civil integrantes do Fórum Estadual de Direitos Humanos, e outras que assinam abaixo, vimos a presença de V. Senhoria externar nossa preocupação com um curso divulgado nas mídias sociais, supostamente realizado pela Polícia Militar do Estado do Pará, de nome “I Curso de Intervenções Estratégicas em Movimentos Sociais”.
Vivemos hoje em um contexto de criminalização dos movimentos sociais e dos defensores de direitos humanos, principalmente em nosso Estado em que muitos foram, inclusive, assassinados. Dentro desse cenário, tem sido inegável o avançar de ações repressivas das polícias, de forma seletiva, contra determinados sujeitos e movimentos.
Os movimentos sociais têm lutado para fortalecer o controle social interagindo mais com o Estado e por isso deveriam participar da conformação de processos de capacitação como esses. Esse tipo de curso, voltado para o batalhão de choque, reafirma uma lógica dicotômica entre a Segurança Pública e aqueles que reivindicam direitos, em um contexto de fragilidade democrática, nos levando a indagar: “Segurança para quem?”.
Pedimos esclarecimentos urgentes ao Conselho Estadual de Segurança Pública sobre os objetivos do curso requerendo que seja pauta do referido conselho é que até lá sejam suspensas as inscrições. Ficaremos vigilantes para, se for o caso, denunciar a outros organismos nacionais e internacionais para que esse tipo de ação não reforce um processo de criminalização e violência contra os movimentos sociais, violando convenções e tratados internacionais que garantem a liberdade de expressão e manifestação.
Assinam esta:
Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Pará
Comitê Popular Urbano
Instituto Nacional da Tradição e Cultura Afro Brasileira(INTECAB)
Intersindical - Central sindical e popular
ASSOCIAÇÃO AFRO RELIGIOSA OMO ODE (AAROO)
ASSOCIACAO MOVIMENTO UNIDOS DA ILHA DE CARATATEUA (AMUIC)
Conselho da Mulher de Ananindeua."
---------------------

Nenhum comentário: