sábado, 2 de julho de 2016

Nota de repúdio ao indiciamento de Evandro Medeiros

Abaixo  nota postada pelo Instituto Paulo Fonteles de Direitos Humanos e SPDDH


O Instituto Paulo Fonteles de Direitos Humanos (IPF-DH) e a Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SDDH) vem a público denunciar a perseguição política e o indiciamento do professor universitário e cineasta Evandro Medeiros, divulgado em matéria do jornal de Marabá O Correio de Tocantins, pelo delegado da 21° Seccional de Marabá, Washington Oliveira, pelo crime de ‘impedir ou perturbar serviço de estrada de ferro e incitar o crime’.
É uma clara demonstração do que se transformou o aparato de segurança pública no Pará: o braço policial dos interesses do capital e da mineradora Vale. Essa processo atenta contra a constituição federal e colide com os direitos de organização e livre manifestação e expressão.
Na opinião de Evandro Medeiros, esse processo de indiciamento “causa indignação, porque é um acinte, um assédio da Vale sobre os direitos e sobre aqueles que lutam. A pena prevista é de dois a cinco anos de prisão ou pagamento de multa e com isso a Vale pretende claramente, colocar o medo e intimidar a população de Marabá e todos aqueles que estão na organização disso. A gente continua na luta, não vai ter arrego”.
A justiça brasileira em vez de punir os verdadeiros criminosos que em busca do lucro provocaram a tragédia de Mariana, cujo rompimento da barragem deixou um rastro de devastação em 3 estados brasileiros e 19 pessoas mortas, sendo este o maior desastre ambiental no país. O IPF-DH e o SDDH se unem à CPT na defesa da liberdade do professor Evandro Medeiros e esperam que a justiça paraense não se omita e sucumba aos interesses espúrios e persecutórios da mineradora Vale.
#nãotemarrego
Hecilda Veiga, pelo Instituto Paulo Fonteles de Direitos Humanos.
Marco Apolo Leão, pela Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos.

Nenhum comentário: