sexta-feira, 22 de julho de 2016

Guerra ao terrorismo e o ministro paspalhão!

 O ministro da Justiça e suas trapalhadas para querer mostrar serviço.

O articulista Kiko Nogueira escreve um excelente texto para analisar a paspalhice do ministro.

veja abaixo


A duas semanas da Olimpíada, Moraes quis mostrar o que conseguiu com a Operação Hashtag, que em dez dias identificou doze pessoas, das quais dez foram em cana.
Elas estariam ligadas ao Estado Islâmico. As detenções aconteceram no Amazonas, no Ceará, na Paraíba, em Goiás, no Mato Grosso, em Minas Gerais, no Rio de Janeiro, em São Paulo, no Paraná e no Rio Grande do Sul.
Eram monitorados há meses pela PF. Teriam comemorado atentados cometidos em Nice, em Orlando e em Paris. Mas o que mudou a condição dos elementos foi sua passagem para “atos preparatórios”.
Eles se comunicavam, contou ele, via WhatsApp e Telegram. Bem, temos algo de estranho aí, já que os aplicativos são criptografados. Nem o FBI consegue quebrar a criptografia, mas os eleitos de Curitiba fazem milagres nesse quesito.
Moraes se saiu com uma resposta meia boca quando questionado sobre isso: “Qualquer mecanismo de investigação não deve ser falado numa entrevista coletiva para avisar um suposto terrorista sobre como se investiga. Esta pergunta atrapalha não só esta como outras investigações”.
Das duas, uma: ou temos os melhores cérebros do serviço secreto universal na Polícia Federal; ou é uma mentira deslavada. A vontade de aparecer superou o fato de que os cidadãos ainda se lembram que uma juíza determinou o bloqueio do WhatsApp exatamente porque não se havia conseguido acesso às mensagens.
O ministro encantou os presentes com seu conhecimento das táticas de recrutamento do terror. “A pessoa que faz esse juramento passa a achar que faz parte do Estado Islâmico”, disse. “Até o momento, tudo que foi investigado foi o único contato que alguns deles tiveram, o batismo. Eles não saíram aqui do país para nenhum contato pessoal.”

Acesse AQUI

Nenhum comentário: