quinta-feira, 23 de junho de 2016

Rapidinhas 22 / 06


Relatório da PF revela que cúpula da Samarco sabia de problemas em represa

Troca de mensagens entre o presidente da Samarco na época do rompimento da Barragem de Fundão, Ricardo Vescovi, e diretores mostra que a cúpula da mineradora não só foi informada de problemas com a represa como articulava estratégia para lidar com a precariedade da estrutura. A transcrição faz parte do relatório final da Polícia Federal sobre a tragédia de 5 de novembro, que deixou 18 mortos e 1 desaparecido - OESP, 21/6, Metrópole, p.A10.
-------------------------

 
A cada semana um ambientalista é morto no Brasil. O país é o mais "sangrento" do mundo para quem defende suas terras contra madeireiros, extrativistas e outros invasores de unidades de conservação. Relatório da ONG Global Witness mostra que, em 2015, 50 ambientalistas foram assassinados no Brasil, o primeiro no ranking. Em todo o planeta, 185 pessoas perderam a vida - um aumento de 59% em relação aos índices registrados em 2014. Os povos indígenas são os mais vulneráveis devido ao isolamento geográfico e à contestação de seu direito sobre a terra ocupada. Quase 40% dos assassinatos contabilizados em 2015 foram de indígenas. O relatório "Em terreno perigoso" foi divulgado ontem - O Globo, 21/6, Sociedade, p.23.  
--------------------------

 
 
Três anos antes da queda da barragem da Samarco em Mariana (MG), as duas acionistas da mineradora, Vale e BHP Billiton, cogitaram retirar os moradores do distrito de Bento Rodrigues, destruído na tragédia. A informação consta de troca de mensagens entre diretores da mineradora. Em chat, o então diretor de operações da Samarco, Kleber Terra, afirma ao gerente geral de projetos à época, Germano Lopes, que "acionistas querem tirar Bento de qualquer jeito". Diz ainda achar "que a turma [acionistas] tá superestimando os danos com as estruturas atuais". Germano Lopes responde que não deveriam incluir os estudos de ruptura hipotética da barragem em um pedido de licenciamento ambiental, "a menos que sejamos obrigados por força da lei". Segundo a Polícia Federal, o diálogo revela que a empresa sabia dos riscos de Bento ser destruído e os assumiu - OESP, 22/6, Metrópole, p.A15; FSP, 22/6, Cotidiano, p.B8.

Nenhum comentário: