sexta-feira, 29 de abril de 2016

Pesquisadora lança livro sobre experiências e práticas de letramento

Pesquisadora do GPTIE publica livro sobre as experiências e a inserção de praticas de letramento.



Professora da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará ( UNIFESSPA) atualmente cursando Doutorado em Linguística na Universidade Federal de Santa Catarina. Possui graduação em Letras - Habilitação em Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Pará (2008) e Mestrado em Lingüística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (2012). Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Lingüística Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: Formação de educadores do Campo, Estudos de Letramentos e Educação Bilíngue, membro do Grupo de Pesquisa Territórios Indígenas e Etnodesenvolvimento.







Práticas sociais de letramento: acampamento Lourival da Costa Santana

Autora: Maria Cristina Macedo Alencar
ISBN: 978-85-7474-908-2
Ano: 2016

Este livro traz as experiências com a escrita e a inserção em práticas de letramento de trabalhadoras e trabalhadores rurais não alfabetizados do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Acampamento Lourival da Costa Santana, no Pará. A autora deste livro, Maria Cristina Macedo Alencar, proporciona aos seus leitores anos de estudos de práticas de leitura e escrita de homens e mulheres do campo que não chegaram à escola ou que dela foram expulsos. É um intenso debate, fruto de sua vivência no cotidiano da luta pela terra, no qual se constrói uma proposta de Educação do Campo em meio ao esforço militante por um novo projeto de campo e, consequentemente, de escola do campo.
Excluídos da cultura escrita, porém organizados, os trabalhadores do campo lutam para que no processo de democratização da terra inclua-se a democratização dos bens culturais, considerando sempre os condicionantes ideológicos, políticos, econômicos e sociais. Os movimentos sociais buscam não abandonar a crítica e suas práticas organizativas, pois nem tudo de suas vidas está contemplado na escola.
Como diz a Drª Nilsa Brito Ribeiro, “a proposta deste livro traz, portanto, contribuições significativas, tanto para o projeto em construção pelos trabalhadores do campo, como para qualquer proposta que tome as alfabetizações lastreadas na experiência como alternativa para a construção de outras pedagogias que contraponham o modelo de escola em que se consolidam a cada dia as pedagogias da competência, enquanto referência de formação”.

Maria Cristina Macedo Alencar cursa Doutorado em Linguística na Universidade Federal de Santa Catarina e atualmente é professora assistente da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará. Possui graduação em Letras − Habilitação em Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Pará (2008) e Mestrado em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (2012). Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Linguística Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: Formação de Educadores do Campo, Estudos de Letramentos e Educação Bilíngue
(Texto Editora Insular)

Um comentário:

William Bruno Araujo disse...

Parabéns, professora Maria Cristina Alencar. Não tenho dúvida quanto a qualidade singular do seu trabalho. Estou certo também de que muitas outras publicações virão!
Abraço,
WB