quarta-feira, 2 de março de 2016

Pedido de afastamento do Prefeito João Salame será analisado

O presidente da Câmara, Miguel Gomes Filho (PP), informou que o documento apresentado pelos educadores será encaminhado à assessoria jurídica por um prazo máximo de dez dias de interstício, conforme determina o Regimento Interno da Câmara. Segundo informou o vereador Miguelito (PP)  "que ninguém pode revogar o decreto do prefeito, apenas ele mesmo, o que podemos fazer é sustar o efeito. A Casa está fazendo isso. O documento que vocês assinaram e enviaram tem esse objetivo”
O vereador da base aliada Edivaldo Santos (PROS) disse que está acompanhando a situação da greve dos educadores e avaliou que se vier algum projeto para a Casa para retirar direitos dos educadores não vai votar pela amizade com João Salame, mas consciente da responsabilidade que tem como legislador. Neste sentido, o prefeito não consegue nem controlar seus aliados.

Fonte: Câmara de Vereadores de Marabá / com adaptações

Nenhum comentário: