sexta-feira, 30 de outubro de 2015

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

NOTA DO PSOL SOBRE A REPRESENTAÇÃO CONTRA O DEPUTADO CHICO ALENCAR


Neste dia 29 de outubro o Solidariedade, através de seu presidente nacional, deputado Paulo Pereira da Silva (SD/SP), protocolou junto ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados uma representação contra o deputado Chico Alencar (PSOL/RJ), líder do PSOL e uma das principais lideranças nacionais que exigem o afastamento de Eduardo Cunha.
A iniciativa do famigerado Paulinho da Força – que é réu no Supremo Tribunal Federal – baseia-se em denúncias falsas e tem como objetivo intimidar o PSOL e seu líder na luta contra Eduardo Cunha.
Os fatos mencionados por Paulinho na referida representação já foram objeto de análise por parte do Ministério Público, com procedimento arquivado em favor do deputado Chico Alencar, restando provada “inexistência de improbidade administrativa ou dano ao erário e a boa-fé do deputado”. Ao mesmo tempo, suas contas de campanha, com montante dos mais baixos entre os deputados eleitos no Rio de Janeiro, foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.
Leia, no site do ‪#‎PSOL‬, a nota completa assinada pelo Diretório Nacional do partido.

Pauta Conservadora: PEC 215 foi aprovada na comissão especial

Triste noite para a história do povo brasileiro! Comissão especial aprovou agora a PEC 215, que acaba com as demarcações de terras indígenas no país. Foi o primeiro passo para enterrar o sonho de resgatar nossas raízes, mas não vamos desistir! Para não legitimar esta votação, Molon e demais parlamentares comprometidos com os direitos humanos deixaram a sessão e se recusaram a votar.

Se a PEC 215 passar pelas duas casas (Senado e Câmara) JÁ ERA amiguinhos! O pouco de floresta que resta vai virar monocultura pro agronegócio. E os indígenas, povos originários, que deveriam ser respeitados e preservados dessa loucura branca-capitalista-ocidental vão perder o pouco que ainda lhes resta... Eu não consigo viver como se nada estivesse acontecendo... Você consegue?

"O CIDADÃO DE BEM SÓ QUER PAZ, NÃO QUER GUERRA"

- O Deputado Ivan Valente fala sobre a tentativa de revogação do Estatuto do Desarmamento.
Durante reunião da Comissão Especial que discute a revogação do Estatuto do Desarmamento, o deputado Ivan Valente (PSOL-SP) disse que para enfrentar o crime de verdade é preciso política de segurança pública e não o retorno aos tempos do velho oeste, numa crítica contundente aos deputados que defendem a revogação do Estatuto.
Esta lógica de que armar a população irá melhorar a segurança é uma das facetas desta política do medo, que também de maneira cínica e enganosa afirma que a maior facilitação para aumentar o porte de arma seria uma medida em “benefícios dos cidadãos de bem”. Uma comprovada falácia, já que todos os estudos e especialistas nacionais e internacionais apontam que a maior disponibilidade de armas numa sociedade gera mais violência e não menos!
A proposta de revogação do Estatuto aprovado na Comissão Especial inclui o porte de armas até para deputados e senadores, voltando aos tempos do senador Arnon de Mello (PSD-AC), que em 1963 atirou e matou outro parlamentar no próprio plenário do Senado (Leia sobre:http://bit.ly/1KFohiy).
É evidente que os deputados da bancada da bala não estão preocupados com os cidadãos de bens, mas sim com o lucro da indústria armamentista que financiou suas campanhas e com a imposição de uma visão de segurança pública arcaica, ineficiente e sem qualquer base nos estudos e estatísticas existentes.
Para Ivan valente, "o cidadão de bem só quer paz, não quer guerra", e por essa razão a maioria dos deputados e senadores deverá rejeitar este retrocesso encarnado nesta tentativa de revogar o Estatuto do Desarmamento no Brasil.
O texto base do projeto foi aprovado na Comissão Especial nesta terça-feira (27), por 19 votos a 8. Os destaques serão votados na semana que vem.

Pauta Conservadora: Legalizando o porte de armas

Tempos sombrios!
Segunda, 26/10, o relatório da PEC 215 foi aprovado pela comissão especial.
Terça, 27/10, aprovado texto-base que permite arma de fogo no campo (ruralistas legalizando o seu arsenal).
"Produtores rurais poderão ter acesso ao porte de armas de fogo no interior de suas propriedades rurais. A proposta, defendida por agropecuaristas de todo o país, consta do relatório aprovado neste dia 27/10, terça-feira, por 19 votos contra 8, pela comissão especial que analisa mudanças nos critérios para porte de armas de fogo no Brasil.

Ciro Gomes anuncia pré-candidatura à Presidência em 2018 pelo PDT

Ciro  anuncia pré-candidatura à Presidência da República em 2018. Em sua fala, ex-ministro e ex-governador do Ceará criticou os movimentos pró-impeachment e chamou Eduardo Cunha de 'o maior vagabundo de todos'

A filiação de Ciro foi feita na presença de líderes do partido como o deputado federal André Figueiredo e o presidente nacional da sigla, Carlos Lupi. “Temos uma referência nacional e em 2018 vamos ganhar as ruas e as praças para fazer Ciro Gomes presidente do Brasil”, disse Carlos Lupi.

Críticas ao governo

Em sua fala, Ciro Gomes também fez críticas ao governo e citou dificuldades para empreender no país com cobranças de taxas e juros que considera “abusivos”. “A taxa de juros, condição essencial para empreender, é contra a nossa realidade. No Brasil, o trabalhador que faz uma duplicata paga 2% de juros ao mês e tem que competir com um dos Estados Unidos, que paga 2% ao ano”, disse.

PDT

Atualmente, o PDT conta com apenas 19 deputados. Com as novas filiações, o partido pretende conquistar 550 prefeituras em 2016, 231 a mais do que os atuais 319 municípios. Cerca de 70 prefeitos de municípios cearenses também devem seguir os passos de Ciro e Cid, incluindo o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (Pros).
Assine o Estadão All Digital + Impresso todos os dias
Siga @Estadao no Twitter

domingo, 25 de outubro de 2015

Edital do Concurso da FUNAI 2015 ....

..... deve sair nos próximos dias

Concurso Funai: edital será publicado ainda este mês

Do total de oportunidades do novo concurso da Fundação Nacional do Índio (Funai), 208 são para indigenista especializados, com nível superior em qualquer área e inicial de R$ 6.346


A Fundação Nacional do Índio (Funai) deve definir, nos próximos dias, a organizadora de seu concurso público . A escolha da banca de forma rápida é essencial para que o órgão possa publicar o edital de abertura de inscrições até o próximo dia 22, prazo determinado pela autorização do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), divulgada em 22 de abril, com prazo de seis meses para dar início ao certame.
A oferta será de 220 vagas, sendo 208 para o cargo de indigenista especializado, sete para engenheiro e cinco para engenheiro agrônomo. A lotação dos cargos ainda está sendo definida e deve ser divulgada com a publicação do edital.
Vale lembrar que, por se tratar de seleção já autorizada, para ter início ainda em 2015, o concurso da Funai não será afetado pela suspensão de concursos federais anunciada recentemente pelo governo federal.
Para concorrer a indigenista é exigido nível superior em qualquer área e para os demais, formação específica. A remuneração inicial para os cargos é de R$ 6.346,02.
Carência
A realização de concurso para o cargo não deve suprir a necessidade de pessoal. De acordo com declaração recente do coordenador geral de gestão de pessoas do órgão, Clayton Geraldo Mendonça de Castillho, a Funai conta com necessidade de mais de 1000 servidores, em diversos cargos, para quem possui níveis médio e superior.
Atribuições
Cabe, ao indigenista especializado, atividades de promoção e defesa dos direitos assegurados pela legislação brasileira às populações indígenas, a sua proteção e melhoria de sua qualidade de vida, realização de estudos voltados à demarcação, regularização fundiária e proteção de suas terras, regulação e gestão do acesso e do uso sustentável das terras indígenas, formulação, articulação, coordenação e implementação de políticas dirigidas aos índios e suas comunidades, planejamento, organização, execução e avaliação de atividades inerentes à proteção territorial, ambiental, cultural e dos direitos indígenas, acompanhamento e fiscalização das ações desenvolvidas em terras indígenas ou que afetem direta ou indiretamente os índios e suas comunidades; estudos e pesquisas, bem como atividades administrativas e logísticas, de nível superior, inerentes às competências institucionais de seu órgão ou entidade de lotação.
Último concurso
No último certame da Funai, realizado em 2010, foram oferecidas 200 vagas para indigenistas, para os estados de Roraima, Amazonas, Mato Grosso, Amapá, Pará, Goiás, Maranhão, Tocantins, Mato Grosso do Sul, regiões Sul e Sudeste do pais, Minas Gerais, Bahia, Espírito Santo, região nordeste, em geral, e Brasília.
A organizadora foi o Instituto Cetro e a seleção contou com prova objetiva de 60 questões e redação. Do total de questões, 15 foi de língua portuguesa, 20 de conhecimentos gerais e 25 de conhecimentos específicos.
A parte de conhecimentos gerais incluiu temas de raciocínio lógico quantitativo, noções de informática e administração pública.
Anexos do Concurso
22/04/2015 - Documento Autorização
Cronograma do Concurso
• 22/10/2015 (quinta-feira) - Previsão de Concursos
Ficha técnica do Concurso
Concurso: FUNAI
N de vagas: 220
Cargo: indigenista especializado
Escolaridade: Superior
Estados com Vagas: AC AL AP AM BA CE DF ES GO MA MT MS MG PA PB PR PE PI RJ RN RS RO RR SC SP SE TO

Área de Atuação: Operacional
Faixa de Salário: De R$ - até R$ 6.346,00

Concurso da FUNAI 2015


PORTARIA No - 452, DE 20 DE OUTUBRO DE 2015 O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO-MPOG, no uso de suas atribuições e tendo em vista a delegação de competência prevista no art. 10 do Decreto nº 6.944, de 21 de agosto de 2009, e
Considerando a autorização para realização de concurso público contida na Portaria MP nº 85, de 20 de abril de 2015, publicada no Diário Oficial da União em 22 de abril de 2015.
Considerando a solicitação de alteração dos perfis dos cargos a serem autorizados no concurso público encaminhado pela Fundação Nacional do Índio em agosto de 2015.
Considerando não haver tempo hábil para publicação de Edital, tendo em vista a autorização da Portaria MP nº 85, de 2015, expirar em 22 de outubro de 2015.
Considerando a Ação Civil Pública nº 0002694- 14.2014.401.3903, na qual o Ministério Público Federal objetiva a declaração de descumprimento, pelo empreendedor (Norte Energia S/A) e pela FUNAI/União, de condicionante indispensável ao atestado de viabilidade da Usina Hidrelétrica de Belo Monte.
Considerando a previsão de despesa com a realização do certame em tela na Lei Orçamentária Anual - LOA-2015, resolve:
Art. 1º Autorizar a realização de concurso público para o provimento de 220 (duzentos e vinte) cargos do Plano Geral de Cargos do Poder Executivo do Quadro de Pessoal da Fundação Nacional do Índio, conforme discriminado no Anexo.
Art. 2º O provimento dos cargos no quantitativo previsto no art. 1º dependerá de prévia autorização do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e está condicionado:
I - à existência de vagas na data da nomeação; e
II - à declaração do respectivo ordenador de despesa, quando do provimento dos referidos cargos, sobre a adequação orçamentária e financeira da nova despesa à Lei Orçamentária Anual e sua compatibilidade com a Lei de Diretrizes Orçamentárias, demonstrando a origem dos recursos a serem utilizados.
Art. 3º A responsabilidade pela realização do concurso público para os cargos relacionados no art. 1º, será do Presidente da Fundação Nacional do Índio, a quem caberá baixar as respectivas normas, mediante a publicação de editais, portarias ou outro ato administrativo.
Art. 4º O prazo para publicação de edital de abertura para realização de concurso público será de até seis meses contados da data de publicação desta Portaria.
Parágrafo único.
A realização do concurso público deverá observar o disposto no Decreto nº 6.944, de 21 de agosto de 2009.
Art. 5º Fica revogada a Portaria MP nº 85, de 20 de abril de 2015. Art. 6º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
NELSON BARBOSA
ANEXO
C a rg o Nível Quantidade
Indigenista Especializado (qualquer área) NS 202
Engenheiro NS 7
Engenheiro Agrônomo NS 5
Contador NS 6

sábado, 24 de outubro de 2015

Veja os deputados do Pará que votaram pela mercantilização da Educação

A Câmara aprovou essa semana em primeiro turno, por 318 votos a favor, 129 votos contra e 4 abstenções, a PEC 395, que autoriza que as universidades públicas cobrem por cursos de pós-graduação. Os estudantes universitários do Pará devem ter o direito de saber quais os deputados do seu estado votaram contra e a favor a essa PEC, que só favorece as máfias dentro das universidades públicas que se enriquecem utilizando toda a estrutura pública para se dar bem! São eles:

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

PARQUE AMBIENTAL DE MARABÁ JÁ É LEI, MAS NÃO SAIU DO PAPEL


A área ao centro do mapa da cidade corresponde ao futuro parque
No Plano Diretor de Marabá, lei que rege as políticas da cidade, consta que a área correspondente as duas marges do aterro de acesso à Marabá Pioneira, chegando às margens do Rio Itacaiúnas à esquerda, Grota Criminosa à direita e com limites na marginal direita da "Transamazônica" está reservada para a a construção de um parque ambiental municipal. 

O local, que é uma Zona Ecológica de Interesse Ambiental (Zeia) é conhecido como Bambuzal. A implantação do parque seria extremamente benéfica para Marabá, que teria o calor amenizado e o ar menos poluído em função da presença das árvores bem no meio da cidade. 

Contudo, as autoridades não têm atentado para esta importante demanda da nossa sociedade e consta que até já empresas de olho no local a fim de edificar prédios comerciais. Na Semma, o titular Carlos Brito disse que o parque é importante mas que faltam recursos. 

Nós do Movimento Ciranda Verde acreditamos que, uma vez sendo previsto em lei, o parque só precisa de pressão popular para sair definitivamente do papel. "A população ainda não entendeu a relação que existe entre a falta de cobertura verde na cidade e os extremos calor e poluição!", garante o engenheiro agrônomo Carlos Cavalcanti, integrante do projeto. 

Em breve o PCV pretende organizar um passeio ciclístico até o local do futuro parque e produzir um vídeo-documentário sobre a situação do mesmo, que ano a ano sofre com as inúmeras queimadas, muitas delas criminosas.

Texto: André Vianello
Foto: Google Maps  

PEC 2015: Câmara vota hoje!

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC 215/2000) é de autoria do ex-deputado federal Almir Sá (RR) que, "acrescenta o inciso XVIII ao art. 49; modifica o § 4º e acrescenta o § 8º ambos no art. 231, da Constituição Federal" para incluir dentre as competências exclusivas do Congresso Nacional a aprovação de demarcação das terras tradicionalmente ocupadas pelos índios e a ratificação das demarcações já homologadas; e para estabelecer critérios e procedimentos de demarcação serão regulamentados por lei”.

Fora Eduardo Cunha!

DE VOLTA PARA O PASSADO?
Estamos em 2015, mas a sensação é que paramos no tempo.
O projeto, com autoria de – adivinhem quem? - Eduardo Cunha, tem como principal objetivo impedir - de qualquer forma - o aborto no Brasil. E, para isso, autoriza a retirada dos direitos das vítimas de estupro, já contemplados no Código Penal.
O projeto foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados e ainda será votado em plenário. A bancada do PSOL foi contrária à iniciativa.
O aborto em caso de estupro é permitido por lei desde 1940, e o novo PL determina pena de prisão de 5 a 10 anos a médicos, enfermeiros, farmacêuticos e outros profissionais de saúde pública que realizem um aborto também em caso de estupro.
Os dados de violência sexual no Brasil são alarmantes. A cada dez minutos uma pessoa é vítima de estupro no Brasil, segundo relatório de 2013 do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Dados de Ipea referentes a 2014 mostram que 50,7% das vítimas de estupro no Brasil têm até 13 anos de idade.
Atualmente, a vítima de violência recebe coquetel anti-HIV, pílula do dia seguinte, o fornecimento de informações às vítimas sobre os direitos legais e todos os serviços sanitários disponíveis à ela. E isso poderá acabar se o projeto passar: a vítima perderá o direito à pílula do dia seguinte e medicamentos, ao aborto legal, além de não ser mais informada sobre seus direitos legais. (Marcelo Freixo)

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Revista Sociedade e Agricultura

Estamos divulgando, através desse email, a publicação eletrônica do volume 23, número 1, de abril de 2015, da Revista Estudos Sociedade e Agricultura, do CPDA/DDAS/ICHS/UFRRJ.
Solicitamos repassar a divulgação para seus contatos, por gentileza.
Os artigos encontram-se disponíveis emhttp://r1.ufrrj.br/esa/V2/ojs/index.php/esa/issue/current.




É assim que começa....


Uma pesquisa da Unicarioca com 1.100 alunos do ensino médio e superior, com idades entre 16 e 30 anos, teve as seguintes conclusões: 58% já pediram para…
G1.GLOBO.COM

Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspende manobra regimental

Ministro do Supremo Tribunal Federal determinou nesta terça-feira 13 a suspensão de uma manobra regimental que levaria o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, em aliança com a oposição, a dar sequência ao processo de impeachment contra a presidente Dilma no Congresso Nacional; decisão atendeu a um pedido do deputado Wadih Damous (PT-RJ); acordo entre Cunha e o PSDB era pela rejeição do pedido de impeachment e apresentação de recurso, por um parlamentar da oposição, para votação em plenário; para a aprovação, bastaria o voto dos presentes à sessão (maioria simples); em uma segunda liminar, a ministra Rosa Weber também suspendeu rito do impeachment definido por Cunha.


Tragédia ambiental: E a Sema?

Barcarena decreta situação de emergência
13/10/2015 - 09:59
Barcarena decreta situação de emergência após tragédia ambiental
Navio com 5 mil bois vivos naufragou no município no dia 6.
Corpos de bois se espalharam por praias da área e Moradores protestaram.

A Prefeitura de Barcarena decretou nesta terça-feira (13) situação de emergência no município, localizado no nordeste do Pará, devido à tragédia ambiental causada pelo naufrágio de um navio que transportava 5 mil bois no dia 6 de outubro. O óleo da embarcação e corpos dos animais mortos se espalharam por praias do município, após o rompimento da barreira de contenção montada para conter os resíduos do acidente.
Segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), pouco mais de 100 bois foram resgatados com vida - a maior parte morreu afogada e muitos animais não conseguiram sobreviver porque teriam ficados presos no porão do navio. Os moradores da área realizaram um protesto na segunda-feira (12), reclamando dos danos provocados ao meio ambiente, à economia da cidade e à vida da comunidade.
Em nota, a prefeitura informou que presta assistência às famílias atingidas pelo que chamou de "uma das piores tragédias ambientais de sua história recente", e cobra uma solução das autoridades do Estado e da União, responsáveis pela operacionalização do porto de Vila do Conde.
No distrito de Vila do Conde, com 8 mil moradores, os comerciantes da beira da praia fecharam as portas e os pescadores se recolheram. Moradores afirmam que não há condições de trabalho com as praias interditadas e que as nódoas de óleo mancham as águas e a areia por mais de três quilômetros.
Naufrágio
O navio naufragou na manhã de terça-feira (6) no porto de Vila do Conde, em Barcarena, no nordeste do Pará, quando estava carregado com cerca de cinco mil bois vivos. A carga pertencia à multinacional Minerva, com sede em Barretos (SP).

Três praias de Vila do Conde, o píer onde ocorreu o naufrágio e a praia de Beja, em Abaetetuba, foram interditados e proibidos para qualquer tipo de atividade. De acordo com a Companhia Docas do Pará  (CDP), a embarcação transportava cerca de 700 toneladas de combustível. Ainda segundo a CDP, o óleo pode chegar em outras praias da região.
Na manhã de quarta-feira (7), durante uma reunião no Porto de Vila do Conde entre autoridades municipais, estaduais e federais, foi criado um comitê gestor de gerenciamento de crise para o caso. Em Belém, também ocorreu uma reunião com autoridades ambientais, quando foi montado um planejamento que possa diminuir os danos ambientais provocados pelo acidente.
As empresas Minerva Foods, Serveporte e Global Agência Marítima e a Companhia de Docas do Pará foram notificadas a apresentar explicações. Segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), ainda há 730 mil litros de diesel na embarcação submersa.
A previsão é que o esquema montado para a retirada do navio, dos animais, além da limpeza da área, seja concluída em 40 dias. O custo da operação deve ser de R$150 mil por dia.
Decisão judicial
Na quinta-feira (8), o juiz da comarca de Barcarena, Deomar Alexandre de Pinho Barroso, expediu um mandado de intimação que previa, dentre uma série de determinações, que a Companhia de Docas do Pará (CDP), a Minerva Foods e a Global Agência Marítima iniciassem de imediato a retirada dos animais mortos do rio Pará, devendo ser dada uma destinação adequada de modo a não causar prejuízos ambientais e à saúde das pessoas.

Além disso, a CDP e demais empresas deveriam providenciar a retirada imediata do volume de óleo diesel depositado nos tanque do navio que vem se espalhando pelas águas. Outra exigência é que fossem elaborados e encaminhados relatórios diários das atividades desenvolvidas à autoridade policial competente bem como ao Ministério Público do Estado do Pará.
(Fonte:G1)

CRIME AMBIENTAL: E a Sema o que faz?

JBS brinca de esconder efluentes no Itacaíúnas
13/10/2015 - 08:16 postado no Jornal Correio do Tocantins
Menos de uma semana depois de mulher denunciar lançamento de efluentes, empresa faz mágica para minimizar polêmica
Parece passe de mágica, mas não é. A JBS (frigorífico ou curtume) não se sabe ao certo, tentou esta semana amenizar a polêmica estabelecida pela caiaqueira Vivian Barros, que postou fotos em uma rede social de uma tubulação que despejava efluente negro e fétido no Rio Itacaiúnas. Mas de nada adiantou.
Inicialmente, nem a própria Vivian tinha certeza que a tubulação era oriunda do frigorífico ou de seu irmão gêmeo curtume e por isso não colocou o nome da empresa. Todavia, durante o último domingo, uma equipe do Jornal CORREIO com a TV CORREIO seguiu o rastro do odor e do efluente negro para certificar-se de que a fonte dos resíduos são, de fato, os super-gêmeos.
Quando Vivian Barros fotografou, no domingo anterior, a tubulação de 400 mm despejava o efluente em forma de cascata no rio, a uma altura de 1 metro. Após a publicação das fotos, a empresa agiu rápido e mandou uma equipe colocar um joelho e um tubo extensor para que o líquido negro caísse diretamente no rio sem chamar a atenção com a cascata. A tubulação nova, inclusive, ganhou reforço de arrebite para que não seja retirada com facilidade.
No lugar em que escorre o efluente, o rio fica escuro e 50 metros acima há uma estação de captação de água do rio para o frigorífico, com dois motores bombas que são acionados diariamente por uma equipe da JBS.
Ao analisar um vídeo com imagens do efluente sendo lançado no rio, o engenheiro químico Rogério Santa Rosa, consultado pelo Jornal, avalia que a cada hora a empresa deve jogar no Itacaiúnas cerca de 5 mil litros de seu rejeito. “A coloração já dá indícios, por si só, de que há algo errado e que os resíduos não receberam o tratamento adequado”, observou Santa Rosa.
Para ter certeza de que a canalização dos resíduos era, de fato, da JBS, a equipe do CORREIO seguiu a pé por uma estrada de chão sempre tomando como base a linha de transmissão de energia que abastece a casa de bomba dentro do rio. Foram 2,5 km de caminhada, passando por brejos, cruzando a Estrada de Ferro Carajás e ainda a pista de dá acesso ao Aterro Sanitário.
Depois de 2,5 km de pé na estrada e conversa com alguns moradores da redondeza, não houve dúvidas de que o efluente tem origem em uma ou nas duas empresas da JBS. Parece também que esse duto não passa pelas lagoas de decantação existentes nas duas plantas industriais da empresa.
A Reportagem do CORREIO enviou email para a Assessoria de Imprensa da JBS, localizada em São Paulo, porque ninguém da direção das empresas responde às indagações dos veículos de comunicação em Marabá. Mas, como tem ocorrido nas últimas duas vezes, o silêncio foi a resposta.
No faro
Procurado pela Reportagem do CORREIO, o secretário de Meio Ambiente, Carlos Brito, confirmou que estava sabendo do assunto e que uma equipe da Semma seguiria hoje, terça-feira, 13, para a área, com a finalidade de analisar a situação e tomar amostras do líquido para saber se passou pelo tratamento adequado ou não.
A promotora de Justiça do Meio Ambiente, Josélia Leontina de Barros, também procurada pelo Jornal nesta segunda-feira, 12, ficou espantada com as imagens e disse que vai exigir da Semma relatório da inspeção para poder se posicionar sobre o caso.
Jornal e TV investigam e acham rastro da poluição
A Reportagem do CORREIO foi mais a fundo e percorreu a mata no perímetro do frigorífico e do curtume JBS, passando por dentro de fazendas e lagoas. No meio do caminho, encontramos vários animais silvestres, inclusive um veado fuboca.
Caminhoneiros que transportam lixo para o Aterro Sanitário fizeram questão de parar e ajudar a apontar os locais em que a empresa JBS realizou serviços recentemente para abertura de uma nova estrada em direção ao Rio Itacaiúnas, inclusive aterrando parte de uma lagoa.
Não deu outra. O mesmo cheiro sentido na encanação que desemboca no Itacaiúnas foi sentido na lagoa, à margem esquerda da Estrada de Ferro Carajás. A lagoa parece, de fato, contaminada. Quem passou por lá derrubou árvores, muitos coqueiros e colocou uma outra tubulação para passagem da água.
Parte da vegetação da lagoa foi extirpada. Os vizinhos dizem que pescavam nela antigamente e agora estão poluídas. “A gente sempre ia para essas lagoas, que enchem no inverno, mas agora não dá mais. Não apenas porque não têm peixes, mas porque a não conseguimos ficar por perto de tão fedida que é”, lamenta um dos moradores das imediações, que pediu reserva de seu nome temendo represália.
É bom ficar claro que não há outra fonte poluidora por perto. Não se pode atribuir o liquido preto e fétido que contamina as lagoas da redondeza ao Aterro Sanitário, que fica a mais de cinco quilômetros dali.
É preciso que fiscais da Semma (Secretaria Municipal de Meio Ambiente) e da Semas (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade) hajam rápido e juntas, antes que a JBS crie um mecanismo de mágica para escamotear os prejuízos ambientais que vem causando com suas duas indústrias em Marabá.
A JBS parece não dar a devida importância ao meio ambiente em Marabá e faz do Rio Itacaiúnas sua fossa. Nas últimas duas vezes em que a Reportagem do Jornal procurou a empresa para se manifestar sobre problemas ambientais denunciados por autoridades, a Assessoria de Imprensa – que fica em São Paulo – não enviou uma nota sequer. Atitude semelhante aconteceu agora. É estranho avaliar como uma empresa que se propõe a ser o maior grupo de produção de alimentos do País trate o meio ambiente e as comunidade de onde retira sua riqueza de forma tão desprezível.
“O rio secou tanto que só agora vi esse cano”
Nenhum outro barqueiro é tão experiente no Rio Itacaiúnas quanto José Carlos Pinto, 49. Ele sobe e desce o rio toda semana, indo do Porto do Tacho à Orla do Rio Tocantins, passando pela longa e perigosa cachoeira Pirucaba. E garante que ainda não tinha visto o cano jorrando efluentes no porto da JBS.
Para ele, a explicação é a seguinte: o rio enfrenta sua maior seca dos últimos 20 anos e o cano ficava em um nível tão baixo que só agora pôde ser percebido. “Acho que estavam lançando essa imundície no rio o tempo todo e a gente não estava sabendo. Pode olhar que o cano tem cara de velho, não é algo novo”, avalia.
(Ulisses Pompeu)

Mestrado na UFPA

Abertas as inscrições ao Processo Seletivo Mestrado e Doutorado 2016

O Processo Seletivo Mestrado e Doutorado 2016, do Programa de Pós Graduação em Economia, Edital nº 2 e 3/2015, abre inscrições.
Inscrições: 7 de outubro a 20 de novembro.
 Editais disponíveis aqui.
Mais informações: (91) 3201-8045.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Iª Semana de Humanidades da Unifesspa

A Iª Semana de Humanidades da Unifesspa, com o tema “Territorialidade, Dinâmicas Sociais e Educacionais no Sudeste do Pará”, a ser realizado de 20 a 23 de outubro de 2015, pelos discentes dos cursos do Instituto de Ciências Humanas e Educação, através de seus Centros Acadêmicos. Busca proporcionar a integração entre os cinco cursos do instituto, e proporcionar a difusão de conhecimentos sob as diferentes perspectivas teórico-metodológica na área das humanidades.