quinta-feira, 15 de janeiro de 2015


Considerando Goergen (2005, p. 1005) “A formação moral é um processo complexo que abriga diversos aspectos, desde a incorporação das convenções sociais até a formação da consciência moral autônoma. As formas de aquisição de tais requisitos incluem a reflexão e as atitudes pessoais até os sentimentos e comportamentos que são estimulados pela educação formal ou informal, também pela simbiose ou mimese cultural. A educação moral entendida como o conjunto de todos estes movimentos, é um processo de construção sócio-cultural da personalidade ou do sujeito moral.” A educação tem papel estimular o/a aluno/a assumir o próprio processo de valoração. O próprio educando é responsável pela construção do sujeito moral levando em conta as dimensões: individual e coletiva em busca de uma vida consciente, livre e responsável. O ser humano por sua própria condição humana vive e age em situação social, ou seja, em sociedade.

Dia 7 de janeiro de 2015 (quarta-feira) será marcado pelo atentado ao jornal satírico Charlie Hebdo, em Paris capital francesa. Homens armados matam doze pessoas (cinco cartunistas, três jornalistas e dois policiais). Posteriormente a polícia consegue matar três supostos terroristas ligados ao grupo Al Qaeda no Iêmen, morreram dois reféns. Desencadeia uma série de manifestações “Je suis Charlie” eu sou Charlie, ocorreram ataque às mesquitas dos mulçumanos, e a guerra continua.

O referido atentado põe em pauta o debate que envolve importantes valores em questão na nossa sociedade como, por exemplo: "direito a liberdade de imprensa", “crença religiosa”. O não respeito do direito do outro, nos coloca em guerra e o agravamento das relações com os mulçumanos.

Precisamos olhar os dois lados: como exercer o meu direito de expressão sem ofender o direito de crença religiosa do outro? Da outra banda de maneira inversa como praticar minha religião sem assassinar a liberdade do outro? De maneira que nos coloca o desafio de como nos tornarmos mais humano, podem contribuir nesta tarefa à família, a escola e as igrejas ou organizações religiosas.

 

Referências

GOERGEN, P. L. Educação e valores no mundo contemporâneo. Educação e Sociedade. Campinas, vol. 26, n. 92, p. 983 – 1011, Especial Out. 2005.

Nenhum comentário: