quarta-feira, 22 de maio de 2013

Ato em memória ao casal extrativista

Programação do Ato em Memória do casal de extrativista Maria e José Claudio.
Local:  P.A. Agroextrativista em Nova Ipixuna.
Dia 25 – 05 – 2013.
9:00h - Mística de abertura, no local do assassinato do casal.
          - Coordenação explica a programação.
10:h – Celebração ecumênica  pela paróquia de  Nova Ipixuna. ( Pe. Adriano).
11:h – Ato político  ( Movimentos sociais  e familiares.)
11:30h – Recordação da vida, fatos que marcaram a vida do casal ( FETAGRI  e ex alunos  da pedagogia da terra.).
- Visitação da casa e do espaço de vivencia do casal.
12h30 – Almoço.
13:30 – Trilha ecológica. Encerramento envolto da majestade. ( mística  MST).
16:0h – Retorno.
 
Realização e apoio:
FETAGRI
STTR de Nova Ipixuna.
CPT, MST, CNS

Um comentário:

Anônimo disse...

Inércia do Ministério Público na cidade mais rica do Pará é denunciada ao Conselho Nacional
Em Parauapebas: contratação suspeita de um advogado, sem licitação, por cifras que podem chegar a R$ 160 milhões, não desperta interesse do MP que mantém a investigação nas gavetas



Jáder Alberto Pazinato foi contratado pelo prefeito DARCI LERMEN nos idos de 2006, às escondidas, nem o Tribunal de Contas dos Municípios do Pará conhecia a contratação, apenas em 2012 é que este Tribunal cadastrou o referido contrato, mas estranhamente, num evidente conluio entre gestor público fiscalizado e órgão fiscalizador, o TCM limitou-se a multar o prefeito Darci, quando deveria ter negado eficácia ao suspeito contrato e acionar o Ministério Público para apurar eventuais irregularidades.

Como um contrato que envolve o pagamento de R$ 160 milhões não tem qualquer rigor na análise dos seus termos pelo órgão fiscalizador, como um município assume um compromisso de R$ 160 milhões e o TCM é assim, tão negligente?

Quando a contratação do advogado PAZINATO pelo municipío de Parauapebas é narrada, por esse Brasil afora, o espanto é geral, perplexidade que aumenta quando acrescenta-se o fato de que o Ministério Público local tem conhecimento e até abriu uma procedimento administrativo, mas nunca, nesses 2 anos, noticiou qualquer medida efetiva para investigar a suspeita pactuação.

Pois bem, agora a inércia ministerial foi denunciada no Conselho Nacional do Ministério Público, onde os cidadãos parauapebenses esperam ansiosamente que a situação tenha um solução definitiva e legal, com a devida responsabilização de todos os envolvidos.

Foi requerido ao Conselho Nacional do Ministério Público os nomes do promotores que passaram em Parauapebas e que deveriam ter atuado no caso, requereu-se ainda que seja relatados os atos que cada promotor efetuou no procedimento investigatório que foi aberto em agosto de 2011.

Mas não é apenas essa investigação que dormita nas gavetas do MPPA envolvendo políticos da cidade mais rica do Pará, tem mais, noutras sequer o MPPA se dignou a instaurar qualquer procedimento.

http://soldocarajas.blogspot.com.br/2013/05/inercia-do-ministerio-publico-na-cidade.html