sábado, 12 de janeiro de 2013

Obras da Copa: Prevista a demolição do Museu do Índio

Tropa de choque deixa Museu do Índio, no Rio

Os 40 homens do Batalhão de Choque da PM do Rio deixaram às 19h30 deste sábado (12) a sede do antigo Museu do Índio, no Maracanã, zona norte da cidade.
PM do Rio cerca Museu do Índio; terreno será usado em obras da Copa
Câmara do Rio adia tombamento do antigo Museu do Índio
Liminar impede demolição do Museu do Índio, no Rio
Defensoria pede tombamento de museu que será demolido por obra no Maracanã
Eles começaram a chegar no local na noite desta sexta-feira (11) para cumprimento de uma ação de reintegração de posse proposta pelo governo do Estado.
Porém, como o mandado não chegou, eles deixaram o local.
A ação de desocupação não tem data para ocorrer. A expectativa é de que possa ser cumprida nos próximos dias.
O museu deve ser demolido por causa das obras da Copa do Mundo. O governo estadual afirma que a aldeia indígena, que fica no terreno do museu, será removida. Há cerca de seis anos, 23 famílias indígenas vivem no imóvel.
TENSÃO
O cacique Carlos Tukano acusou os policiais militares de intimidação e afirmou que não negociaria a saída dos índios. "Eu não vou abrir mão. Essa é a minha terra e não vou voltar atrás para ninguém", afirmou. Tukano exigiu uma conversa com o governador ou com o prefeito.
Pouco antes do meio-dia deste sábado (12), o presidente da Emop (Empresa de Obras Públicas do Estado), Ícaro Moreno Junior, precisou ser escoltado do local porque um manifestante agarrou em sua camisa na tentativa de puxá-lo para uma conversa.
"A situação é caótica. Se avizinha uma luta corporal entre policiais e indígenas", disse o defensor público Daniel Macedo, titular do segundo ofício de Direitos Humanos e Tutela Coletiva, que acompanha os índios desde o início da operação.
Segundo Macedo, se o mandado de reintegração de posse não fosse entregue, a polícia estaria cometendo crime de abuso de autoridade e de exercício indevido da função.
Por volta de 12h45, o clima continuava tenso no local. Índios com arcos e flechas e homens encapuzados permaneciam nas janelas mais altas do prédio do antigo museu.
Em nota, a Polícia Militar afirmou que "a presença dos policiais do Batalhão de Choque no antigo prédio do Museu do Índio é para reforçar o policiamento do local para o cumprimento de mandado de reintegração de posse".

Fonte:  DAMARIS GIULIANA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DO RIO

Nenhum comentário: