terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Nota ao blog do Hiroshi - em resposta a sua crítica a nota do PSOL



 Publicamos nota do membro do Diretório Estadual do PSOL em resposta às críticas de "irrelevância" do posicionamento do partido em relação ao futos desgoverno João Salame!


 -------
Nossa nota é serena e objetiva, apresentamos características ao programa de governo, identificando ligações com antigas oligarquias e a manutenção da concepção desenvolvimentista do governo baseado na pratica de isenção fiscal, incentivo à grande empresa flexibilizando leis trabalhistas e ambientais, gerando subempregos, cedendo aos interesses das grandes empresas e do grande capital, tal qual a proposta de desenvolvimento da década de 70 que tantas mazelas trouxe à região. Colocando-nos em eterno estado de subdesenvolvimento, ou um eterno em desenvolvimento. Esquecendo que o estágio desenvolvimento técnico, cientifico, econômico e social do Brasil ou da Amazônia não é necessariamente contraditório com o sistema capitalista, ele precisa das áreas periféricas, dos fornecedores de commodities, e nosso papel, ou como gostam alguns, “nossa vocação”, na ordem capitalista é esse.

Então nossa oposição é programática, não é contra o indivíduo João Salame, mas contra um programa, um sistema que ele representa, se ele for eficiente ou ineficiente no governo dele o sistema continuará forte. Familias sendo despejadas de seus locais de trabalho,  privatização de espaços públicos, elevação dos índices de criminalidade, entre outros males.

Todo partido tem um estatuto e um programa, o primeiro rege a organização do partido, o segundo orienta suas ações, é a identidade do partido. O militante é coerentemente quando suas ações políticas são orientadas pelo programa e respeita as regras definidas no estatuto.

Alguns partidos ou alguns filiados a partidos, orientados por uma perspectiva eleitoreira, desrespeitam o estatuto e programa tomando decisões ou ações incoerentes com esses documentos. É importante destacar que um partido não é uma unidade autônoma municipal ou regional, está filiada, a uma concepção  de sociedade que da unidade ao partido. Portanto, nossa posição é coerente com nosso programa  e a carta foi aprovada considerando as diretrizes estatutárias.

Somos filiados ás teses marxistas, um importante estudioso do capitalismo e seus componentes. Estudos que possibilita compreender esse sistema, que inclusive está em crise em virtude de uma financeirização do capital repercutindo nos países centrais, inclusive repercutindo em nossos consumidores de commodities implicando no nosso sonhado desenvolvimento a partir da venda de minério de ferro. Para sair da crise os capitalistas não fazem milagres, arrocham salários, tiram direitos trabalhistas, exigem diminuição de impostos, etc.

Antes de falar de quantidade de votos é importante compreender que os cargos de prefeito ou de vereador não representam o poder, é parte do poder. São instâncias importantes,  mas é parte, há outras instâncias a serem mobilizadas, e o poder de pressão não é exclusivo do legislativo, nem mesmo de instâncias institucionalizadas. Quanto ao resultado eleitoral isso não nos abala, temos maturidade para compreendermos o atual momento histórico, continuaremos firmes em nossos princípios,  nossas diretrizes programáticas. O líder da revolução chinesa dizia que a paciência é uma virtude revolucionária. Não a paciência cômoda, de simplesmente esperar, mas aquela que te orienta a tomar os passos certos a cada momento, de construir sólidas bases de um projeto. Por outro lado, Marx dizia sobre a perspectiva de uma identidade de classe dos trabalhadores e de uma revolução social, que deveria haver as condições objetivas e subjetivas. As objetivas corresponde as dificuldades concretas, seja falta de trabalho, baixo salário, falta de moradia, atendimento precário à saúde, violência, etc. As condições subjetivas corresponde ao sentimento de identidade de classe, de perceber que os trabalhadores do setor siderúrgicos demitidos em Marabá é fruto do mesmo sistema que demite trabalhadores na Grécia, Espanha, Portugal ou que privatizou o ensino no Chile, este sentimento de unidade, implicaria na identidade de classe, atendendo o chamado de Marx no Manifesto do Partido Comunista, Trabalhadores do mundo, Uní-vos.

Então as eleições correspondem a um meio, não um fim em si mesma. Seguiremos firmes como lutadores sociais por uma sociedade justa, fraterna, harmônica e feliz. É nossa oposição é programática, entramos em cena vigilantes e coerente.

Francisco Macedo
Membro do Diretório Estadual do PSOL

Nenhum comentário: