sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Toda solidariedade ao Blog Uruará - Valdeci Mecca

Deputado compra briga de Blogueiro em Uruará.

Deputado Parsifal.
"Não sei que providências o Valdeci Mecca, autor do blog, já tomou, pois vejo que ele não “fechou” o seu blog, mas se ele precisar de um advogado coloco-me a disposição" Disse Parsifal.
Em mais de 30 anos de política e 54 de estrada gabo-me de desdizer o bardo e afirmar que já vi mais coisa do que sonha a nossa vã filosofia. Inobstante, ao receber um comentário, acessei o blog “Uruará em foco” e custou-me acreditar no que vi: o promotor de Justiça da Comarca de Uruará, Arlindo Jorge Cabral Júnior, emitiu um ofício determinando que o dito blog fosse “fechado”. Arlindo Júnior, além de, sumariamente, ter usurpado as prerrogativas da magistratura subiu aos píncaros da insensatez: proclamou-se censor da República e decidiu que o dito blog é impróprio para menores de 18 anos.  Abaixo o ofício que, destarte quaisquer outras medidas, é o bastante para que a Corregedoria do Ministério Público Estadual tome as providências cabíveis: Se o promotor viu no blog algo que ferisse a ordem pública deveria demandar a ação judicial competente e esperar da Justiça as medidas requeridas. Alegar que o blog fere dispositivo constitucional porque publica comentários anônimos é um argumento esdrúxulo e inacreditável ter isso partido de um promotor de Justiça: comentários anônimos no momento em que são publicados passam a ser responsabilidade exclusiva do proprietário do blog. Quanto ao argumento “proibido para menores de 18 anos” opino que vi realmente, ao navegar no “Uruará em foco”, algo extremamente obsceno e desconfortável ao meus olhos: o ofício já colado acima, que deveria ser censurado para menores de 150 anos. Não sei que providências o Valdeci Mecca, autor do blog, já tomou, pois vejo que ele não “fechou” o seu blog, mas se ele precisar de um advogado coloco-me a disposição para patrocinar-lhe a causa. Quanto ao promotor Arlindo Junior, também me coloco à disposição para patrocinar-lhe um estágio na Síria, com o ditador Bashar al-Assad. Não entendam mal o estágio na Síria. Não é que o Dr. Arlindo vá aprender alguma coisa com o al-Assad: é o al-Assad que tem muito a aprender com o Dr. Arlindo. Brincadeira… (Vá que ele leia e mande fechar o Parsifal 5.4…) Blog Uruara

----------------------------


NOTA DE REPÚDIO DO REPORTE FELIPE EM APOIOAO BLOG URUARÀ EM FOCO
Acompanho com muita tristeza as últimas notícias que obrigam o colega Valdecir Mecca, proprietário do Blog Uruará em Foco a fechar o seu tão importante meio de comunicação, é triste ver em pleno século XXI a atitude parcial e desnecessária de um promotor que determina o fechamento de um meio de informação.É preocupante que essas medidas estejam sendo tomadas exatamente quando o proprietário faz duras críticas ao irresponsável do gestor da cidade que há 3 meses não paga o sagrado salário dos seus funcionários. É necessário que nesse momento a imprensa da região esteja unida para acompanhar em detalhes essas decisões arcaicas e que se valem da lei defasada e sem respeito à sociedade, remetendo as obrigações como se fossem em épocas do regime militar, sendo que estamos em plena democracia.O site Altamira Hoje, vê como ridícula e equivocada a decisão, e que essa fere de morte o direito dos uruaraenses e moradores da região de ter acesso a informações tão importantes e necessária, já que a cidade vive um momento crítico e de crise.Por: Felype Adms.-----------------------
 
---------------------------
 

RUARÁ – Equilíbrio, um princípio basilar

        O que se pode e deve esperar de um promotor ou procurador de Justiça é o mesmo que se espera de um magistrado e de qualquer eleito – o compromisso com as vozes das ruas, mas sem jamais se deixar levar a reboque pela eventual ira popular, e principalmente o compromisso com as leis, o equilíbrio, o senso de justiça e a proporcionalidade. No caso de autoridades públicas, em particular, convém acentuar que não há vilania na intenção de tirar a limpo seus atos. Nesse caso, trata-se de um direito inalienável do conjunto da sociedade, tanto quanto o é o direito a crítica, a despeito da tentação totalitária na qual frequentemente submergem os poderosos de plantão com vocação a tiranetes de província. Essa prerrogativa, se observada, pouparia situações patéticas, como a protagonizada pelo casal Nádia Khaled Porto e Joaquim Passarinho Pinto de Souza Porto, o Quinzinho, ele ex-deputado estadual pelo PTB e atual secretário de Estado de Obras. O casal demanda judicialmente contra mim, sem contestar, porém, a denúncia que deu causa ao contencioso. O Blog do Barata revelou - sem ser contestado, convém repetir - que Nádia Khaled Porto, que é odontóloga, foi contratada como servidora temporária pela Alepa, a Assembléia Legislativa do Pará, quando esta era presidida pelo ex-deputado Ronaldo Passarinho, tio de Quinzinho, e posteriormente cedida, ao arrepio da lei, para o TCM, o Tribunal de Contas dos Municípios do Pará, quando para este migrou o ilustre parente do casal. Na audiência judicial, presentes ambas as partes, a queixa mais palpável, vociferada pela madame Quinzinho, foi o blog se referir ao marido pelo diminutivo que acompanha o ex-parlamentar desde a infância. E só. Nenhuma palavra foi dita, pelo casal, sobre a cedência, ilegal e imoral, de Nádia Khaled Porto para o TCM.
        Seja qual for o circunstancial excesso de Valdeci Mecca, soa despropositada a determinação do promotor de Justiça de determinar que o blog Uruará em Foco seja tirado do ar. Na verdade, diante das críticas a ele feitas no blog, por supostamente ter ido armado a uma reunião dos servidores municipais, cujos salários estão há três meses atrasados, a determinação sugere não um apreço pelo cumprimento da lei, mas a uma retaliação. Tanto mais porque no blog Cabral Júnior também já foi criticado pela suposta leniência diante da calamitosa administração da qual é acusado o prefeito Eraldo Jorge Sebastião Pimenta, eleito em 2008 pelo PMDB, com 9.005 votos, equivalentes a 47,33% dos votos válidos. Nada mais justo que Cabral Júnior cobrar o direito de resposta, para poder oferecer sua versão sobre seu papel diante do imbróglio político que imobiliza o município e até já provocou o bloqueio de trecho da rodovia Transamazônica, pelos servidores públicos municipais de Uruará, que cobram o pagamento dos salários em atraso. A postura do promotor de Justiça soa inaceitável porque agride a ordem democrática, atropela a legalidade, a pretexto de defendê-la, reeditando a censura tão a gosto dos cúmplices retroativos da ditadura militar.
 

Nenhum comentário: