sábado, 21 de julho de 2012

CRIME AMBIENTAL NA SANTA BARBARA


CRIME AMBIENTAL NA FAZENDA DO GRUPO STA BÁRBARA




ÓRGÃO AMBIENTAL FLAGRA DERRUBADA DE CASTANHEIRAS EM FAZENDA DE DANIEL DANTAS NO SUDESTE DO PARÁ.

A partir de denúncia feita pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Marabá, a Secretaria de Meio Ambiente do município de Marabá, flagrou a derrubada ilegal (fotos em anexo) de castanheiras na Fazenda Itacaiunas, de propriedade da Agropecuária Santa Bárbara, do banqueiro Daniel Dantas. As árvores de castanha do Pará, espécie protegida por lei, estavam sendo derrubadas e serradas no local. Para não chamar à atenção, a madeira serrada estava sendo transportada em carretas tipo gaiola, usadas para o transporte de gado. Outra parte era transportada de barco pelo Rio Vermelho que margeia a propriedade. As castanheiras estavam sendo derrubadas em uma imensa área de desmatamento recente, à época denunciado ao IBAMA, mas, não se sabe de nenhuma providência que o órgão ambiental tenha tomado para punir o Grupo Santa Bárbara.

A Fazenda Itacaiunas, possui área de quase 10 mil hectares, foi vistoriada pelo INCRA, declarada improdutiva e decretada pela Presidência da República para desapropriação. O INCRA ingressou a ação de desapropriação perante a Justiça Federal de Marabá, mas, o processo está na mesa da Juíza Federal Nair Cristina Pimenta há mais de 3 meses aguardando a imissão de posse.O INCRA avaliou o imóvel em 23 milhões de reais, mas, o passivo ambiental devido aos vários desmatamentos ilegais feitos no imóvel ficou em 16 milhões.

O Grupo Santa Bárbara ingressou com recurso perante a mesma juíza da justiça federal de Marabá, tentando impedir a imissão de posse do INCRA no imóvel. Os dois processos estão na mesa da juíza Nair Cristina. Inconformados com a morosidade da Justiça Federal e com o escândalo dos crimes ambientais praticados no imóvel, cerca de 200 trabalhadores rurais sem terra, ligados ao STR de Marabá e à FETAGRI, ocuparam na manhã de ontem a entrada da fazenda. Os trabalhadores fazem parte de um acampamento de famílias sem terra da FETAGRI que já estão acampados a 4 anos na divisa da fazenda aguardando sua desapropriação.

A decisão dos trabalhadores é de permanecerem acampados na entrada principal da fazenda até que a Juíza federal decida sobre o processo de imissão do INCRA na posse do imóvel e a secretaria de meio ambiente e o IBAMA anunciem as sanções contra o grupo Santa Bárbara pelos crimes ambientais ali praticados.


Marabá, 10 de julho de 2012.

Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Marabá.FETAGRI regional Sudeste.
Comissão Pastoral da Terra – CPT.

Nenhum comentário: