segunda-feira, 4 de junho de 2012

IFPA discute greve!

IFPA e professores do Rêgo Barros discutem greve 

O Sindicato dos Servidores da Educação Básica, Profissional e  Tecnológica (Sinasefe/Pa), que representa os docentes e  técnicos-administrativos do Instituto Federal do Pará (IFPA) e os  professores do Colégio Tenente Rêgo Barros, discute em assembleia com  o conjunto da categoria a retomada do movimento grevista a partir do  próximo dia 13.

A greve é uma resposta dos trabalhadores à intransigência do Governo  que, em oito rodadas de negociação não apresentou uma contraproposta  satisfatória aos trabalhadores. Os docentes das Instituições Federais  de Ensino Superior (IFES) já estão em greve, desde o dia 17/05. Os  técnicos-administrativos das IFES entram em greve no dia 11 de junho.

O objetivo da paralisação nacional por tempo indeterminado é construir  a unificação dos trabalhadores da educação pública federal brasileira,  visto que os servidores seguem há dois anos com os salários  arrochados, sem recomposição inflacionária e muito menos aumento real.

Os servidores denunciam também a precarização das condições de  trabalho e ataques aos direitos básicos, como a recente privatização  da previdência, com a criação da Funpresp e a edição da Medida
Provisória n° 568/2012, com força de lei, que, apesar de conceder 4%  de reajuste, pode culminar em prejuízo salarial, uma vez que altera,  em seu artigo 86, a redação do artigo 68 da lei 8.112/1990, que trata
das normas relativas ao pagamento do adicional de insalubridade e  periculosidade. Com o agravante de que o governo deixou de fora os  servidores docentes do ex-Territórios Federais, Escolas Militares e os
técnicos-administrativos da Rede Federal de Ensino.

CENÁRIO

O IFPA possui 12 campis no interior do Pará. Destes, quatro já  definiram sua posição em relação à retomada da greve. Os campi de  Altamira, Conceição do Araguaia e Marabá Industrial votamram a favor;
o campus de Castanhal votou contra. Os demais campi decidem a adesão  ou não ao movimento grevista até o dia 4 deste mês, data da realização  da Assembleia Geral do campus Belém, marcada para as 11h, no Auditório  Central do IFPA.

No dia da assembleia, os professores do Rêgo Barros fazem uma  paralisação de 24 horas, mas a decisão de fazer parte da greve  nacional dos servidores públicos federais vai depender das  deliberações da assembleia dos servidores do IFPA e dos  encaminhamentos do V Encontro dos Servidores das Instituições
Militares de Ensino, que acontece nos dias 16 e 17 de junho, em  Brasília-DF.

REIVINDICAÇÕES

Entre as reivindicações dos servidores estão reajuste de 22,08%  (referente à inflação e variação do PIB desde 2010), em conjunto com  uma política salarial permanente, com reposição inflacionária,  valorização do salário-base e incorporação das gratificações. Os  servidores também pedem a implementação de negociação coletiva no  setor público, com definição de data-base e o cumprimento, por parte  do governo, dos acordos firmados e não cumpridos.

MOBILIZAÇÃO

No próximo dia 5, o Sinasefe/Pa envia uma caravana de servidores para  uma grande marcha em Brasília. A expectativa é que o ato reúna no  mínimo 20 mil trabalhadores na Esplanada dos Ministérios. Após a
manifestação, há uma plenária ampliada, às 15h, para votar a greve  geral por tempo indeterminado do funcionalismo federal.  Fonte: (DOL, com  informações do Sinasefe/Pa)

Nenhum comentário: