sábado, 17 de março de 2012

ALPA: Quarto Tomo

Na platéia vários militantes petistas e na mesa a deputada do PT, todos tiveram que ouvir calados os ataques e achincalhamentos contra o Governo Dilma e o e ex-presidente Lula. O alvo dos defensores da ALPA, transformando o governo como reú por ter desacelerado a obra. E isentando a Vale. Tudo que a poderosa empresa queria, foi orquestrado na tribuna da CMM.

Afinal porque os petistas ficaram calados?

Vale lembrar que o terreno disponibilizado para Alpa foi comprado com dinheiro público. Uma desapropriação que o Governo Ana Julia fez e que até hoje é qustionada na justiça.

Causou impacto direto em três assentamentos da região; as condicionantes nunca foram bem esclarecidas.

Então pra que ALPA?

Um comentário:

Anônimo disse...

A ALPA vai servir para alguns poucos mega empresários que aumentaram o seu leque de contratos com a Alpa.

A população como sempre acredita que a situação vai ser bem melhor embora, ninguém está dizendo isso. Temos hoje 15.000 crianças sem escolas. Temos 100.000 pessoas sem hospitais, médicos, medicamentos. Temos o CIAM e o CRAMA já superlotados. Temos o Cemitério da Velha Marabá lotado, não dá para fazer uma sepultura nova.

Somos a cidada mais violenta no Estado e a terceira no país.

Não temos a integração no Estado que seja, celular, navegação, transporte aéreo e rodoviário e o que é pior, descentralização dos poderes do estado em nossa cidade.

Não dá para acreditar nos nossos representantes. É sempre o mesmo discurso. Ninguém briga pela construção de um hospital público na Cidade Nova, ninguém olha o nosso potencial fluvial, pecuários (leite pausterizado e longa vida, queijos, iogurtes), nossa floresta que poderia oferecer matéria prima para a indústria farmacéutica, para a indústria de cosméticos e etc.

Não vejo os nossos políticos lutando em prol de mais escolas, pela jornada integral, por mais responsabilidade social, mais projetos sociais para atender nossas crianças.

Enfim, vejo a cidade crescendo e sem serviços públicos ou privados para atenderem esta enorme massa de seres humanos que, acabam migrando para a marginalidade. Arnilson