terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Nota da representação do SINASEFE em Marabá

Nota de apoio aos educandos do IFPA / Campus Rural de Marabá
A representação do SINASEFE - através dos delegados sindicais, vem expressar nosso apoio aos educandos dos Cursos de Licenciatura de Educação do Campo do Campus Rural de Marabá (CRMB), que no dia 24 de janeiro de 2012, fizeram uma mobilização pacífica para reivindicar a solução do problema de falta fornecimento de água no CRMB. Várias vezes durante a etapa que se iniciou no dia 03 de janeiro houve problemas no abastecimento de água, impedindo os educandos de tomarem banho, de manterem os banheiros e os alojamentos limpos, de lavarem roupa e pior, os educandos muitas vezes ficaram sem água para beber. No dia 24 de janeiro, após mais de 12 horas sem água, quando esta voltou não apresentava condições de ser consumida. Essa questão da descontinuidade do abastecimento e da qualidade da água no CRMB é constante. Em vários momentos, a falta de água foi motivo de cancelamento de atividades letivas porque a satisfação das necessidades físicas básicas, como higiene e hidratação, são pré condições para a participação efetiva nas atividades pedagógicas propostas.
 Por isto, nós do SINASEFE entendemos que a manifestação dos educandos é legítima e busca respostas para um problema básico, sem o qual é inviável as atividades de ensino, pesquisa e extensão deste Campus. Vale ressaltar, que o CRMB surge da mobilização e reivindicação dos agricultores familiares e camponeses que lutam por meio de várias estratégias de resistência para melhorar as suas condições de vida, reivindicando políticas públicas como educação de qualidade. Nas mobilizações os agricultores familiares e camponeses confrontam com os agentes policiais que são mandados pelos governantes para “manter a ordem”, desconsiderando a legitimidade das reivindicações dessa parcela da população historicamente excluída.
Infelizmente no dia 24 de janeiro a Polícia Federal foi chamada para intervir na manisfestação dos educandos, configurando uma contradição com a história da instituição e com todos os seus princípios, embasado no Movimento de Educação do Campo, que tem no protagonismo dos sujeitos sua centralidade. Por isto, vemos com preocupação os caminhos escolhidos para a solução de problemas, reproduzindo a lógica de autoritarismo, tentando por meio da força, calar a voz dos sujeitos do campo que desejam a solução para um problema legítimo, que vai ao encontro do sonho desses sujeitos por uma educação de qualidade no lugar onde moram, enfim por uma Educação do Campo. No caso da água, que é um bem essencial para a manutenção da vida humana, que é portanto uma reivindicação básica, a presença da polícia no CRMB causa mais espanto e indignação.  Ao invés de se tentar resolver o problema real da falta de água, gastasse tempo em trazer o aparato de repressão, como se o problema fosse a manifestação e não a falta de água, desvirtua-se assim a realidade. Felizmente a presença da polícia federal, na pessoa do delegado de polícia, reforçou a importância do problema e a legitimidade da manifestação.
As más condições de infra estrutura aqui relatadas a que os educandos são submetidos também são sentidas por nós, servidores do campus, porém os educandos sofrem mais pois permanecem alojados durante o tempo-acadêmico, por tudo isto reafirmamos o apoio aos educandos e nos solidarizamos com suas reivindicações.

Delegado Sindical

Um comentário:

Anônimo disse...

A representação do SINASEFE Campus Industrial também manifesta seu apoio aos estudantes e professores e repudia qualquer atitude que envolva a força policial. A final polícia é pra bandido não para estudantes e professores. Estudante e professor merecem é respeito e dignidade.


Fabiano Rodrigues
SINASEFE/Campus Industrial de Marabá