terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Nem todos concordam com a patifaria!

Nem todos do SIM concordam com a postura de uma turminha tentar  mobilizar pessoas para fazer ataque pessoais na frente da UFPA. Isso não leva à nada, a não ser pra um acirramento de ânimos entre as correntes de pensamentos. Na postagem abaixo Antonio Rosa manifesta o desprezo pelos que tentam denegrir a imagem de quem tem coragem de se posicionar a favor do povo dessa região de verdade.
=========

Não concordo com esse tipo de coisa!

Tenho acompanhado muitos dos movimentos que tem por objetivo defender o "SIM" nesta campanha antecedente ao Plebiscito de 11 de Dezembro. Mas não concordo quando determinadas pessoas esquecem-se do nosso objetivo maior e passam a direcionar ataques a pessoas afins que por opinião estão do outro lado.

UMA COISA É CRITICARMOS AS IDEIAS QUE ELES DEFENDEM!
UMA COISA É DEFENDERMOS AS NOSSAS IDEIAS!

Vamos procurar levar esta campanha de forma limpa e correta, sem denegrir a imagem de ninguém

Um comentário:

Joao Macena disse...

Eu li em algum lugar e copiei este texto para contribuir no debate:

Esse argumento tem duas formas discursivas: em primeiro lugar a idéia de que o Pará, tanto por sua extensão como por suas peculiaridades geográficas, não pode, necessariamente, ser bem governado. A segunda forma discursiva sugere que estados menores são, simplesmente, melhor governados que estados “grandes”.
Vejamos o primeiro caso: seria o Pará ingovernável em função de sua geografia?
Claro que não. Senão outros espaços geográficos de dimensões comparáveis, ou até maiores, seriam, naturalmente, inviáveis. Sejam esses outros espaços Estados nacionais ou entes federados em um Estado nacional, como o Pará. Os exemplos são muitos e diversos. Brasil, Austrália, China, Índia, Rússia ou Canadá, com seus imensos territórios, são ingovernáveis? Claro que não. E suas unidades federadas, quando grandes porções territoriais, são ingovernáveis? Não.
E no caso de essas unidades federadas serem territórios de difícil acessibilidade, com zonas de baixa densidade populacional, economia com escassa industrialização e misto de atividades mineradoras, agrárias e extrativistas – tal como o Pará – seriam territórios ingovernáveis?