segunda-feira, 25 de julho de 2011

Ruralistas são os principais patrocinadores da "divisão" (1)

Na blogosfera a informação sobre a criação do Estado de Carajás tem focado os ruralistas como os principais fomentadores da divisão. Veja AQUI - abaixo postagem do To Sabendo sobre o desejo dos ruralistas.


Após a confirmação da data do plebiscito sobre a divisão do Pará, as campanhas a favor e contra a divisão do Pará em três Estados, com a criação de Carajás e Tapajós, ganharam voz oficial.  A consulta será realizada no dia 11 de dezembro.
A campanha de criação do Estado de Carajás será patrocinada, principalmente, por igrejas evangélicas e associações de criadores e produtores rurais das 39 cidades da região, além de prefeitos, vereadores e líderes políticos da região - que terão a chance de disputar novos cargos em na futura Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados, Senado e Tribunal de Contas. Do lado contra a separação, a luta pela preservação do Estado do Pará do tamanho atual coloca lado a lado associações empresariais, ONGs e sindicatos de trabalhadores.

O presidente da Comissão Brandão, uma das entidades que lideram o movimento separatista no Pará, José Soares de Moura e Silva, afirma que existe um "anseio popular" pela criação do novo Estado. Entre as entidades que apoiam o projeto estão as associações de produtores, as centenas de igrejas evangélicas da região, o Rotary Club em Marabá e a Maçonaria, por exemplo. ?Ainda não falamos em custos, mas o projeto de criação do novo Estado é um projeto de todos?, afirmou. ?Cada um vai dar uma ajuda financeira nessa campanha?, complementou Silva.
O presidente da Associação dos Municípios do Tocantins e Araguaia (AMAT), outra entidade que lidera as discussões dos separatistas, Luciano Guedes, afirma que nesse momento até mesmo partidos adversários estão unidos. ?Não existe uma bandeira partidária. Existe uma bandeira pró-Carajás. Nessa causa, temos apoio de gente do PT, do PSDB, do DEM, do PTB, de vários partidos. Existem empresários que já se manifestaram em nos dar ajuda financeira com esse projeto", diz ele. "Se você fizer uma pesquisa aqui, quase 100% dos moradores são a favor da idéia?, conclui.
Os líderes argumentam que, com a divisão do Estado, será mais fácil a implementação de políticas públicas nos 39 municípios que farão parte de Carajás em saúde, educação e principalmente segurança. Quem é contra a separação rebate essa idéia e afirma que a divisão do Estado vai criar uma máquina pública insustentável.

3 comentários:

Anônimo disse...

o problema não está no tamanho do território, mas sim nos gestores. Se território pequeno definisse algum índice positivo, sergipe e principalmente o amapá, seriam os dois melhores estados do brasil em todos os quesitos. no entanto não são. basta pesquisar a situação deles, principalmente de nosso vizinho amapá pra constatar as mazelas que lá também existem. então o problema está nos políticos. basta a gente trocar esses trastes que as coisas mudarão a nosso favor. nos novos estados esses mesmos pilantras continuarao mandando juntamente com essa corja de pelego e avarentos de toda sorte que os rodeiam.

Dr. Rivelino disse...

Argumentos fracos tanto de um lado quanto do outro...
Reginaldo

IL disse...

E vc tem argumento "DR"? Aliás doutorado também?

Deve ser o sangue colonizador que prepondera na tua máscara aloprada.