sexta-feira, 29 de julho de 2011

O QUE É A PRESENÇA DO ESTADO?

Respondendo o Zé Dudu

"A frente contra Carajás e Tapajós contratou o publicitário Orly Bezerra pra fazer a campanha pelo Não. Penso que deveriam ter contratado os Caça-fantasmas, eles talvez encontrem a presença do Estado na região" Zé Dudu

Primeiro deixo claro que não gostaria de fazer a defesa dos governos e de seus agentes, muito menos do Estado enquanto instituição que está presente ou ausente. Mas gostaria de contribuir neste debate a partir da reflexão: O que é mesmo a presença do Estado?

Neste debate em torno da divisão, falase muito em ausência do Estado! Não é verdade que o Estado esteja ausente! Mesmo que haja uma grande insatisfação com a tal ausência do Estado, o Estado não é materializado apenas pelas instituições. Segundo Aristóteles, todo Estado é uma sociedade que tem como objetivo algum bem. A sociedade política se propõe ao maior bem possível. Aristóteles acredita que para conhecer melhor as coisas compostas é necessário decompô-las para analisá-las nos seus elementos mais simples. Portanto, ele propõe-se a decompor o Estado nos seus elementos constitutivos, analisando cada um deles separadamente. Em resumo, o Estado é a sociedade em que vivemos, é toda sociedade que tem como meta alguma vantagem final, que é ser feliz. Logo a percepção que temos é que na nossa análise, temos que compreender para quem o Estado está a serviço?
Desde o século XVIII que o Estado materializado pelas suas instituições, no caso sua força repressora age na região, foi assim com a implantação de um forte no município de São João do Araguaia, para fazer a defesa da região contra a provável "evasão de divisas" para o Estado do Goiás a partir do Rio Araguaia. Portanto, o sentimento de abandono vivenciado por todos nós está na lógica da gestão pública, dos governos, das elities econômicas e políticas que sempre dirigiram este Estado. Está no enriquecimento ilícito de Jader Barbalho, está na apropriação indevida das grandes áreas de castanhais, está na omissão e conivência dos políticos aqui mesmo da região, inclusive os que defendem a divisão como Giovanni Queiroz, Asdrubal Bentes que sempre estiveram como aliados dos governos.
Este discurso vázio de ausência do Estado precisa ser melhor analisado, para não cairmos na teia da mesmiçe. Ora, não vejo uma discussão sobre os impactos dessa ausência do Estado com a perca que o Estado do Pará inteiro tem com a Lei Kandir. Por que que a cambada de politiqueiros não questionam a Lei  que isenta as empresas mineradoras e outras de pagar impostos?
Não é com Carajás, Tapajós ou mesmo com o atual Pará que vai se mudar, que vai ter mais estradas, se não questionarmos que o atual modelo de desenvolvimento, que exportam as nossas riquezas, que concentra terra, que desteritorializa as populações de origem a troco de um chamado progresso para poucos, que vamos ter a tão sonhada presena do Estado.
E olha que estamos bem guarnecido com a presença de sua força repressora, quarteis do exercito, policia militar para proteger patrimônio de fazendeiros que saquearam as terras dos trabalhadores e do próprio Estado.
Volto a repetir não adianta criarmos outra unidade da federação se o Estado vai continuar a serviço da Vale, da Agropecuária Santa Bárbara, Alpa e das grandes empresas...

Só quem vai ganhar são investidores que vão continuar mais ricos e cada vez mais sonegando impostos, devastando, e atrelado a isso macunados com a violência que assola o campo.

Vamos á luta!!


Referências Bibçiográficas:
Fonte: http://pt.shvoong.com/law-and-politics/politics/1814511-da-origem-estado-pol%C3%ADtica/#ixzz1TUybD9DY

8 comentários:

Pablo disse...

Cara, sou fã do teu blog pelos posts coerentes e sem ilusionismos típicos de quem habita essa região do estado. Um grande abraço de um SUL-PARAENSE em Belém. Pablo Calixto

www.ribamarribeirojunior.blogspot.com disse...

Agradeço pela sua audiência Pablo!

Anônimo disse...

Audiência???? Credo, esses autores de Blog's tem de voltar à escola, mais precisamente para a alfabetização... Que texto mais mal escrito, meu Deus do Céu!!!
Ei, galera, vamos caprichar, afinal, ninguém merece tanta falta de competência. Só li porque estava interessado em investigar sobre as opiniões em relação à emancipação dos futuros Estados de Carajás e Tapajós, mas confesso que deu calo no olho ler essas aberrações!!! Vamos parender a escrever???
Reginalo

DR sem doutorado disse...

VAMOS parender escrever??? Reginalo

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


Deve ter passado na OAB colando!

FCO Macedo disse...

E ele acredita em Deus?

Toninho disse...

Esse Zé Dudu, é um pau mandado do Gioavanni Queiroz.

Augusto disse...

blz,
agora tu ensina quem é tal de aristóteles pro povão que tá sem hospital e escola, que nao pode sair de casa pq nao tem segurança.
Para o Pablo que comentou antes:
você já disse tudo amigo. você pode até ser da região de carajás, mas não habita a região pra sentir o que a gente sente aqui. não se diga sul-paraense, fique por aí mesmo!

Pablo disse...

Augusto Não fale bobagem, você me conhece? eu morei até uma parte da adolescência aí e sei como é sim, meus tios moram em Rondon do Pará e lá é tão ruim, abandonado, largado às traças quanto o bairro que eu moro aqui em Belém, parafraseando você mesmo: "Não dá pra sentir o que a gente sente aqui" e nem vocês podem sentir o que a gente sente aqui, deves ter passado um mês de férias em Belém e achou tudo bonitinho né...