sábado, 26 de fevereiro de 2011

Mapa da Violência: Analisando os objetivos (3)

da violência homicida que se vinha alastrando, desde 1980, sem solução de continuidade;As políticas desenvolvidas a partir de 2003 conseguiram estancar o íngreme crescimento nossos indicadores com os de outros países do mundo quanto na percepção e temores da população sobre sua própria insegurança;Nossos índices permanecem ainda extremamente elevados, tanto quando comparamos ator e vítima a nossa juventude. É nessa faixa etária, a dos jovens, que duas em cada três mortes se originam numa violência, seja ela homicídio, suicídio ou acidente de transporte;
O Mapa da Violência como estudo tem a tentativa de contribuir para a compreensão de um dos maiores desafios que hoje enfrenta nosso país: o da violência irrompendo e transformando o cotidiano da sociedade.
Apesar da grande precariedade nas informações disponíveis, as fontes são coincidentes em afirmar que:

Contrapondo

Como o estudo é resultado de uma parceria entre o Ministério da Justiça e o Instutuo Sangari, que apresenta a informação de que a violência estancou a partir do Governo Lula (2003), em relação a proporcionalidade dos períodos anteriores, entendemos que  os próprios dados do estudo não coincidem. Exemplo maior é o que tem sido divulgado, pois Marabá aparece três anos consecutivos nos estudos como uma das cidades mais violêntas.

Este fato tem se agravado principalmente nos últimos 5 anos. Basta fazer uma pesquisa nos dois jornais escritos de Marabá, e verão que os crimes praticados contra a juventude e pela juventude tem sido os principais destaques.

Neste caso, as politicas do governo Lula não conseguirão atingir os jovens. Tanto o Bolsa Trabalho, quanto o Projovem foram incipientes na  possibilidade de obter êxito.

Politicas Públicas para a juventude: Qualificação e educação de qualidade; Lazer  e inserção em programas de motivação; Capacitação e envolvimento nas questões de cidadania.

A juventude padece de politicas específicas e de participação social.

Então, o crack vai vencer essa guerra???

Nenhum comentário: