quinta-feira, 15 de julho de 2010

O cercado da casa do "povo"!


Muros, muralhas e cercas fazem parte da história de uma humanidade sofrida, desnorteada e temerosa. Na biblia, ganharam notoriedade as “Muralhas de Jericó”, destruídas pelo “povo eleito”, ao avançarem contra as nações que ocupavam a Terra Prometida, e o “Muro das Lamentações”, onde ainda hoje os judeus ortodoxos choram as desgraças que, por sua vez, massacraram os vencedores de antigamente.

Os muros e as cercas estão em toda a parte, no campo e na cidade. São cada vez mais raras as residências que não dispõem de cerca elétrica. Os condomínios fechados, vigiados por guardas, já não são patrimônio dos grandes centros urbanos: chegaram às pequenas cidades do interior, onde, até ontem, as portas das residências permaneciam sempre abertas.


Precisamos aprender a construir pontes, ao invés de muralhas e cercas. Pontes para aproximação da sociedade e seus representantes, pois é muito mais o que nos une do que o que nos separa.  Quanto mais pontes, menos haverá lugar para os muros, cercas e outras arquiteturas que separam o povo de seus representantes.!



A opção pelas  as cercas e os muros que mantêm enclausurados o povo que não tem acesso as politicas públicas básicas e no caso dos "seus" representantes em Marabá, quanto mais longe melhor, pois ficarão sossegados do assistencialismo criado por eles mesmos e também das demandas da sociedade que clama por melhoria.
 
 
Texto: Adaptado de Dom Redovino Ridarrazo/ Ribamar Ribeiro Junior 

2 comentários:

Mural de Marabá disse...

A cerca é pra impedir o acesso do povo ao recinto que erradamente chamam de "Casa do Povo".

Marcel disse...

Engraçado a CASA DO POVO cercada?

Eita vereadores....