quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Mesa de Diálogo






















No encontro que deve acontecer com a governadora, o que o MST vai dizer? ou vai ouvir, ainda é incerto, também não cabe aqui propor o que devem falar. O certo é que a governadora quer ouvi-los e o movimento não vai ao encontro com o estilo "paz e amor", afinal este governo tem uma dívida enorme com os movimentos sociais. E para o campo muito maior ainda, mas como é ano eleitoral a madrasta do Pará deve pedir pra aliviar no "abril vermelho".

2 comentários:

Denise disse...

Espanta-me que, depois de termos conquistado direitos até então negados aos cidadãos brasileiros com a ditadura militar, os movimentos tenham que apelar para violência. A violência se tornou o meio, utilizado pelas duas partes do conflito de interesses, para assegurar seus próprios direitos. Que contradição!Onde estão, nesses momentos delicados de guerra no campo, os representantes políticos e seus aparelhos de controle? Na certa, devem perder suas noites de sono preocupados com o bem-estar da sociedade brasileira. Ou não?

Anônimo disse...

Pra que conversar com a governadora? È preciso desinstitucionalizar essas ações e fazer a reforma agrária na marra.