terça-feira, 8 de setembro de 2009

O fim não justifica os meios

Texto de Fidel Castro analisando a politica internacionalista dos EUA
As notícias diretas procedentes dos Estados Unidos às vezes causam indignação e, outras, repugnância. Com certeza, nos últimos tempos, muitas delas se referiam aos problemas associados à grave crise econômica internacional e a suas consequências no seio do império. Não são, certamente, as únicas referentes a esse poderoso país. Qualquer página do grosso volume de notícias procedentes de um continente, região ou país do mundo, geralmente tem a ver com a política dos Estados Unidos. Não existe ponto do planeta onde não se experimente a avassaladora presença do império.Como é lógico, durante quase dez anos, as notícias sobre suas guerras brutais ocuparam espaços importantes da imprensa e mais ainda quando havia uma eleição presidencial.Contudo, ninguém imaginou que, em meio ao drama das guerras de conquista, apareceram as notícias sobre cárceres secretos e centros de tortura, um vergonhoso e bem guardado segredo do governo dos Estados Unidos. O autor da grotesca política que conduziu a esse ponto usurpou a presidência dos Estados Unidos nas eleições de novembro de 2000, mediante a fraude eleitoral no estado sulista da Flórida, onde se decidiu a contenda. Depois de usurpar o poder, W. Bush não só arrastou o país a uma política de guerra, mas também não assinou o Protocolo de Kyoto, negando ao mundo durante dez anos, na luta pelo meio ambiente, o apoio da nação que consome 25% do combustível fóssil, o que pode ocasionar à espécie humana um dano irreparável.

Nenhum comentário: