quarta-feira, 30 de setembro de 2009

"Como tratar a notícia com verdade"

Este foi o principal foco da palestra realizada a poucos dias atrás em Parauapebas, pelo Jornalista Caco Barcelos (Globo). Na platéia, dezenas de jornalistas e outros membros da imprensa convidado pela VALE. No evento o cerne da questão estava voltado para Mineração e Meio Ambiente.
No entanto, essa vontade de "noticiar a verdade" não é máxima da Vale. Veja o que diz o jornalista Rogério Almeida para um jornal do Movimento contras as mazelas da mineração - recém lançado em Ourilandia do Norte:
Rogério disse que para a maioria da população, a VALE é a propaganda que vende. Como lidar as inserções publicitárias da empresa quanto a sua responsabilidade social e ambiental frente a realidade?

Rogério: Nos locais em que a vale atua não se publica nada ao contrario aos seus interesses. Há uma hipertrofia de poder. Ao menos aqui no Pará operam no sentido de criminalizar qualquer ação dos movimentos socais, em particular os ligados à luta pela terra. Quando a empresa e multada por crime ambiental, as mídias encobre os fatos,elas dão visibilidade para a explicação da empresa.
Mas a questão é mais complexa. Existem a fragilidade nas estruturas dos órgãos de fiscalização, além dos poder da Vale e das relações dos bastidores da política. Avalio que o horizonte tido aqui é de que a vale é uma grande incógnita para os mais diferentes setores. Os que ganham alguma migalha silenciam. É isso pelas universidades
e associações comerciais..........

Nenhum comentário: