quarta-feira, 9 de setembro de 2009

10 DE SETEMBRO: 2 ANOS



10 de setembro – a perda da mãe!


A perda da mãe: quem sabe vivenciá-la? Como aceitar mortal e falível aquela pessoa grande, capaz de conseguir o universo, logo ela, a protetora, mensageira da paz e dos caminhos pelos quais começamos andar primeiro? A perda da mãe é a retirada da rede protetora no momento do pulo, é a retirada da manta que a protege do frio!. E há que perca mais dura? É o roubo feito no exato momento em que estávamos a descobrir o melhor do mundo.

A perda da mãe é a entrada no lugar-comum, é começar a ser igual a todos os que a sofrem, a ter os mesmos medos, as mesmas frases. É voltar a se emocionar com o que se desprezava: datas, pequenas lembranças, objetos, palavras e até com as manias dela que nos irritavam. A perda da mãe é o começo do balanço da própria vida.


(apud)

2 comentários:

Anônimo disse...

o que fizemos até aqui, o que criamos até aqui e o que nos retarda de ir adiante.

O que ainda nos limita o olhar para variedade de vida deste planeta? De nos sentirmos vivos, radiantes e amorosos? Que medo ainda nos segura? Que covardia ainda nos prende? Que culpa ainda insistimos em manter?

A integridade é o único caminho nem que a sua porta seja a morte! É a coragem necessária...

Desanimo é dissimulado, não se vê chegar, se confunde com desapego, qdo se vê não se tem vontade de mais nada, tanto faz como tanto fez. A voz da mente é mais forte que a do coração. É inconsciente...

Se deve lutar contra o desanimo e cultivar a Entrega. Entrega é contrária ao desanimo

Anônimo disse...

A minha ausência é apenas de corpo no espaço e no tempo. Mesmo que não possa me ver, eu estou aqui. Olho e sorrio para você todos os dias. Acompanho o seu deitar e o seu levantar. Ser mãe é algo que vai muito além do mundo do qual você ainda faz parte. Ser mãe transcende fronteiras visíveis e invisíveis. Mãe é alma eterna, guarda eterna que nunca dorme porque, incansavelmente, se dispõe a zelar, a cuidar, a amar seu filho mesmo que ele não possa mais sentir o calor de seu colo.
Sei que seu coração está tomado de saudosismo, mas não fique triste, ao contrário, aproveite para relembrar com alegria do tempo em que nossos olhos, vozes, gestos se encontravam. E sempre que tiver oportunidade compartilhe com os que lhe amam essas boas lembranças. Saiba que minha alma se reluz de alegria por saber que meus ensinamentos estão sendo úteis em sua vida, que você está amadurecendo que tem aprimorado ou mesmo reelaborado seus apensamentos, que tem sido consciente em suas atitudes, que tem defendido com coragem, ousadias causas da sua realidade...
Saiba que, minha alma se regozija por ter tomado a forma feminina para fazer com que você se formasse dentro de mim. E, depois que eu o vi ali, prontinho, todo perfeito, pensei: mesmo antes de você existir sempre lhe amei.