quarta-feira, 1 de julho de 2009

DEUS É MAIOR!

O governo do prefeito MAUrino Magalhães (PR) adotou a frase 'Deus é Maior' junto a sua marca de governo.

Acontece que o Estado é Laico, portanto não professa religião. Mesmo que seu "discurso" da "folha que caí", o transforme cada vez mais num sujeito folclórico, o Estado continuará sendo laico. O Estado laico não pode admitir imposições de instituições religiosas, para que tal ou qual lei seja aprovada ou vetada, nem que alguma política pública seja mudada por causa dos valores religiosos. Mas, ao mesmo tempo, o Estado laico não pode desconhecer que os religiosos de todas as crenças têm o direito de influenciar a ordem política, fazendo valer, tanto quanto os não crentes, sua própria versão sobre o que é melhor para toda a sociedade.
Desde a Constituição do Império de 1824, os textos magnos pátrios consagram o princípio da liberdade religiosa, o que se dá amplamente a partir da Carta Republicana de 1891. O Estado Laico, longe de ser um Estado Ateu — que nega a existência de Deus — protege a liberdade de consciência e de crença de seus cidadãos, permitindo a coexistência de vários credos. Aliás, é princípio fundamental do cristianismo e muito precioso aos católicos, que compreendem a parcela maior dos brasileiros, o profundo respeito à liberdade religiosa de cada um.
O Estado laico respeita, então, todas as crenças religiosas, desde que não atentem contra a ordem pública, assim como respeita a não crença religiosa. Ele não apóia nem dificulta a difusão das idéias religiosas nem das idéias contrárias à religião.
É direito e garantia fundamental a livre expressão do pensamento, inclusive para a adequada formação das políticas públicas. Pretender calar os vários segmentos religiosos do país não é apenas antidemocrático e inconstitucional, mas traduz comportamento revestido de profunda intolerância e prejudica gravemente a saudável convivência harmônica do todo social brasileiro. Assim como os que também se manifestam de forma diferente em relação a religião. O Estado nos seus três entes não pode ser ateu e nem deflagrar religioso. Viva o Estado Laico!!!

2 comentários:

Anônimo disse...

Apesar de não professar o Município uma religião, o governo de Maurino tem pecado ao estampar em "vão" o nome Deus. Primeiro, por que este governo não é de Deus. Segundo, no que se refere a bigamia, trigamia e outras gamia o gestor´tem caminho certo ao Purgatório, ades e outros julgamentos no Juizo Final.

www.muraldemaraba.blogspot.com disse...

Camarada Ribamar, não entendi muito bem a relação entre o nome de Deus e a oficialização de uma determina doutrina ou religião, como se queira entender. De fato o Estado é laico, mas não impede que o nome de Deus seja usado em lugar nenhum.

A maioria esmagadora da população brasileira é cristã. As doutrinas são muitas e todas elas confessam a Deus nas suas adorações.

Agora, se a questão fosse impor uma determina doutrina (religião), aí sim valeria dizer que o Estado Brasileiro é laico.

Leia na íntegra a esse versículo abaixo que se encontra na Bíblia.

"Feliz a nação cujo Deus é o Senhor..." Salmos 33:12

Todos sabemos e ouvimos dizer desde de criancinhas que a Bíblia é o Livro da Verdade. Até no presente momento ninguém conseguiu dizer o contrário, apesar das inúmeras tentativas.

Lendo-se os artigos das constituições e leis feitas pelos homens, percebe-se claramente que tiveram na Bíblia sua inspiração.

Qualquer pessoa pode proferir o nome de Deus. Quem somos nós para julgar se A ou B pode ou não pode?

E se alguém usa o nome de Deus em vão, sabe-o muito bem que faz e sabe também quais as consequências do que faz. Ninguém é inocente, embora sempre poderá se arrepender e ser perdoado pelo Todo Poderoso.

Acho que se o prefeito tivesse declarado-se somente religioso ou cristão e não um protestante, talvez os apontamentos não existissem. Igualmente acontece com o negro: se ele faz algo de errado que todos costumam fazer, somente no erro dele é que será cobrado uma providência. São coisas que passam despercebida por todos.

Não estou aqui advogando por A ou B, apenas explanando meu ponto de vista como cristão e com formação protestante que tenho. Fico entristecido quando um protestante pega uma "missão" e faz feio. Melhor não pegar, para não haver uma antipatia generalizada.

Abraços.