segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Estabilidade do Brasil é de papel crepom



O senador José Nery (PSOL-PA) alertou nesta quinta-feira (8) para a "enorme vulnerabilidade externa" do Brasil em face da crise global dos mercados financeiro e de capitais. Para o parlamentar, o país está frágil tanto nas esferas monetária e financeira quanto do ponto de vista comercial, produtivo e tecnológico.

- Concordo com o economista Reinaldo Gonçalves quando afirma que a estabilidade do Brasil, na verdade, é falsa. É uma estabilidade de papel crepom - disse o senador.

O senador observou que as reservas internacionais brasileiras correspondem hoje ao valor da dívida externa, enquanto a dívida interna é cinco vezes maior que as reservas, com um valor superior a R$ 1 trilhão. Somente o passivo de curto prazo equivale a três vezes as reservas.

José Nery cobrou do governo explicações urgentes ao povo. Na opinião deles, o Senado deve exigir do governo informações acerca da gravidade dos efeitos da crise norte-americana na economia brasileira. O parlamentar acha também que o as autoridades do Executivo devem colocar o Congresso a par das medidas que estão sendo tomadas.

- Todas as vezes em que vivemos crises econômicas, em vez de proteger os mais humildes, os poupadores e os assalariados, os pacotes governamentais se preocupam em salvar da falência os especuladores e os banqueiros, tudo em nome da estabilidade do capital - protestou o senador.
ASCOM - Gabinete

5 comentários:

Zé Dudu disse...

Na grande maioria das vezes, discordei dos pronunciamentos, atos e reflexões deste Senador. Desta vez não!
Ele está certo quanto alerta para o perigo eminente da crise financeira mundial. Ela afetará sim o pobre. Os que irão perder apenas dinheiro na maioria das vezes serão salvos pelo Governo, enquanto o pobre perderá emprego, dignidade e a pouca honra que conseguiu nos últimos anos.

Meg Barros disse...

Ribamar,
Primeiramente obrigada pelo link :)
Segundo, com relacao ao post, acredito que o valor das dividas publicas - tanto interna, quanto externa - não é um problema diretamente ligado a crise, que tem origem no mercado imobiliário norte-americano. Antes de agorar nossa economia (credo, parece até discurso argentino, hehehe), vamos aguardar o comportamento das bolsas. Por enquanto, estamos resistindo às instabilidades bravamente.

WILLIAM disse...

ENQUANTO O COMPORTAMENTO DAS BOLSAS NÃO MUDAM, OS EUROPEUS ESTÃO DANDO DE DEZ NOS AMERICANOS

Anônimo disse...

Houvesse uma força social anticapitalista no mínimo moderada nos EUA, exigir-se-ia, talvez, a anulação das dívidas das parcelas de pagamento das casas próprias, a construção de um sistema de proteção social sob gerência do Estado e que as instituições financeiras arcassem com os seus prejuízos. Mas na ausência dela, os rumos da crise ficam totalmente à mercê da gestão capitalista

Anônimo disse...

A crise internacional do capitalismo especulativo já chegou ao Distrito Industrial. Há empresa que vai dar férias coletivas, e pelo menos uma já teria abafado um alto-forno.