sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Crise Mundial: Marx no contraponto

O mundo vem sofrendo nesses últimos dias uma série Crise Finaceira, que começou com a crise no sistema imobiliário e financeiro dos Estados Unidos e se espalhou pelo mundo afora, atingindo o Brasil em cheio, e derrubando Bolsas de valores do mundo inteiro inclusive a Bovespa.

Mas as crises não são novidade quando se fala em economia. O pensador Karl Marx (1818-83) formulou algumas idéias sobre crises, medidas de valorização do capital e até sobre o comércio exterior e o mercado de ações, que podem ser encontradas em obras como “O Capital” e “Teorias da Mais-Valia”.

Durante muito tempo, Marx foi um dos raros autores que se preocupou com o fenômeno das crises econômicas, considerando-as inevitáveis e inerentes ao sistema capitalista. A maioria dos economistas insistia na capacidade harmonizadora do mercado, relegando as crises a um segundo plano, como algo apenas casual e externo. Outros - mais respeitados por Marx, como Ricardo ou o suíço Sismonde de Sismondi (1773-1842) - até reconheciam a importância delas, mas as concebiam como um limite com o qual o sistema econômico deveria saber lidar. Depois, até em todo o século 20, registra-se um movimento pendular entre fases de predomínio teórico do harmonicismo e fases em que crises violentas, como a de 1929 ou a dos anos 1970, forçaram a incorporação delas ao pensamento econômico aceito pela tradição acadêmica e de instituições oficiais.

Nenhum comentário: